FLOS CARMELI

A equipe do site Flos Carmeli Estudos é composta por leigos católicos, alunos – e talvez discípulos fosse a palavra mais apropriada – do conhecido polemista católico Prof. Orlando Fedeli.

Nosso objetivo neste site é apresentar a sã doutrina católica conforme sempre foi ensinada pela Igreja, por meio de encíclicas, do catecismo, dos grandes doutores, em especial de Santo Tomás de Aquino, e defender a doutrina católica contra os erros modernos, mormente contra a gnose em todos os seus matizes. Nessa vertente de luta, somos propugnadores da missa tradicional no Rito Tridentino e opositores das doutrinas errôneas que se difundiram dentro da Igreja a partir do Modernismo e que triunfaram sobretudo a partir do pastoral e não dogmático Concílio Vaticano II.

O site dá muita ênfase à História em razão da herança do saudoso professor que nos formou com suas aulas e que nos ensinou que nela, além de se desenrolar a luta entre a Cidade de Deus e a Cidade dos Homens, é possível contemplar todos os objetos do conhecimento – Deus, o Mundo e o Homem –  simbolizados pelos medievais no tetraedro regular. [1]

Realizamos nosso apostolado por meio deste site, por meio de aulas presenciais e gravadas e por meio de congressos em todo o Brasil. Também é marcante em nossa ambiência as famílias numerosas que atestam que nós não só defendemos, mas também vivemos o que pregamos.

E por que Flos Carmeli – Flor do Carmelo –, o título do hino da festa de Nossa Senhora do Carmo?

Num período de grande seca, que simbolizava o abandono pelos judeus do Deus de seus pais e que bem poderia representar também a apostasia do mundo atual – Santo Elias estava no Monte Carmelo rezando no mesmo local em que acabara de vencer os idólatras de Baal quando, depois de pedir por sete vezes a seu servo que a procurasse, viu ao longe uma pequena nuvem erguer-se do mar,

no meio de um céu totalmente azul, e teve certeza, por revelação interior, de que a pequena nuvem – “como a pegada de um homem” – simbolizava a Virgem Mãe predita por Isaías. [2] Assim, segundo a tradição, dos seguidores de Santo Elias nasceu a Ordem do Carmo, primeira cultuadora da Virgem que seria a Mãe do Redentor prometida no Gênesis. Assim, também a tradição eclesiástica interpreta essa nuvem como símbolo da Virgem Santíssima, pois a nuvem é formada pela água do mar, mas não tem o amargor do sal do mar. Da mesma forma, Maria Santíssima nasce da natureza humana, a qual está machucada pelo pecado original, mas em Maria há apenas a natureza e não a mácula do pecado, pois o Redentor a preservou da culpa original.

A água em estado gasoso vai para o alto com todos os seus componentes, como Nossa Senhora que foi assunta ao céu, em corpo e alma.

Nossa Senhora é medianeira de todas as graças, assim como as nuvens são medianeiras das chuvas. Como não há chuva sem nuvem, não há graças sem Maria.

As nuvens se movem sopradas pelo vento, que também é símbolo do Espírito Santo, Nossa Senhora é movida por Deus. Nuvem e vento parecem esposos, assim como Nossa Senhora é esposa castíssima do Espírito Santo.

Onde não há chuvas, há deserto. Onde não há Nossa Senhora, há esterilidade nas almas.

As nuvens bloqueiam, no cimo das montanhas elevadas, a visão de tudo o que está abaixo. A devoção à Maria Santíssima faz-nos elevar os olhos ao alto e bloqueia nossa vista para o que é baixo e indigno aos filhos de Deus.

A água em estado gasoso pode apresentar-se em gotas minúsculas, mas forma as enormes nuvens que abarcam todo o céu, como a humildade de Nossa Senhora, que a levava a fazer-se minúscula, escrava, mas que alcançou-lhe Sua Maternidade com a qual abarcou em seu ventre O que o Céu e a Terra não podem conter.

A Virgem Humilde e Excelsa – Flos Carmeli – é “destruidora de todas as heresias”, como diz São Pio X na encíclica Pascendi. E por isso este site, que quer defender a doutrina da Santa Igreja Católica Apostólica Romana contra todos os seus inimigos, externos ou internos, a invoca e a toma como sua padroeira fazendo coro, a seu modo, com o belo hino de Nossa Senhora do Carmo:

Flos Carmeli,

vitis florigera,

splendor coeli,

virgo puerpera

singularis.Mater mitis,

sed viri nescia,

Filiis tuis da privilegia,

Stella Maris!”

 

Marcelo Andrade

 

[1] Cf. https://www.youtube.com/watch?v=Bhnv1RkW4n8 e http://www.montfort.org.br/bra/cadernos/religiao/religiao_vaticano_ii_parte_1/

[2] I Re 17:44