1129- Defesa ´Tolerante` do Pe. Libânio

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão

Orlando Fedeli

Defesa ´Tolerante` do Pe. Libânio

 

  • Localização: Belo horizonte – MG

Caro Professor Orlando,

Gostaria de comentar vosso comentário ao texto do Pe. João Batista Libanio. ” modelos eclesiologicos”.
Muito me surpreende o modo como o senhor trata os autores que divergem de sua posição intelectual, de sua concepção eclesial e, sobretudo, do seu modo de compreender a fé cristã católica. O senhor os menospreza, os ridiculariza. No caso do Padre Libanio, ao menos reconhece a sua capacidade intelectual.
Sua posição é anti-modernista o que denota uma concepção eclesial que obviamente choca-se com o escrito do padre Libanio. Num contexto cultural marcado pelo pluralismo, e pela valorização da alteridade é equivocado querer afirmar só um modo de ver o mundo, e pior considerá-lo como sendo O único e verdadeiro.
Acusar o padre Libanio de lìngua dupla citando as Escrituras é desconhecer sua trajetória eclesial e sua vivencia de fé. Não raro o senhor desdenha dos autores que comenta. Gostaria de ver o senhor acompanhando padre Libanio em seu trabalho ministerial na cidade de Vespasiano, próxima a Belo Horizonte. Ou melhor, participando de uma aula com ele. Para quem dispõe de todos os beneficios como o senhor, fica fácil comentar escritos de homens e mulheres que buscam aproximar a mensagem de Nosso Senhor Jesus Cristo aos homens e mulheres de hoje como sendo traição ou lingua dupla. Quereria vê-lo encontrar uma familia cuja situação de vida é miserável e qual seria sua resposta. Claro seria pronta e repetiria as enciclicas papais antes de Leão XIII que nada dizem a respeito da mútua implicação entre fé e compromisso social e assim pedem aos pobres para se resignarem pois da paciência vem a salvação. Nunca se esqueça que como diz a carta de Tiago uma fé que despede um pobre abençoando-o, mas não o ajudando em suas necessidades reais é vã !!!!
É de seu conhecimento que na elaboração da Lumen Gentium foi necessário costurar o texto com dois modelos eclesiologicos: o dos progressitas e os dos conservadores; e isso não descredita ver a Igreja como Povo de Deus, nem tampouco como Corpo de Cristo ou templo do Espirito Santo.
O importante é não ficar numa leitura fixista e intransigente. O Espirito sopra onde Ele quer, não pense que suas reflexões são a verdade da fé cristã católica, assim como as minhas não o são. O importante é que o batismo nos fez corpo de Cristo para sermos o Povo de Deus que caminha no mundo sustentados pela força do Espirito procurando que nossa fé aja pela caridade.

Em Cristo e Maria

———————

Muito prezado,
Salve Maria.

Você destaca minhas críticas aos que atacam a Igreja. Isso prova que você coloca pessoas acima da Fé e acima da Igreja.
E se aquilo que você chama de “contexto cultural pluralista” — o relativismo — é o critério que o guia, você está bem errado.
Nosso Senhor nos recomendou que não nos conformassemos com o mundo. Aquilo que você chama de “contexto cultural pluralista” é, de fato, o relativismo doutrinário.

E que significa para você “valorização da alteridade”?
Atacar a Montfort*?
Se se deve valorizar toda alteridade, por que a Montfort* estaria excluída dessa alteridade? Por que minha “alteridade” é repelida por você?

Esssa fórmulas relativistas — “Contexto cultural pluralista”, ” valorização da alteridade” , “tolerância” — somente são usadas para bajular os inimigos de Deus e da Igreja, para fagar erros doutrinários e heresias. Jamais aqueles que enchem a boca com essas formulas ambíguas protestam contra os que blasfemam continuamnete contra Cristo e contra a Santa Igreja.

Padre Libânio, pelo menos no ponto que tratei, não teve língua dupla: ele mostrou claramente sua simpatia por aqueles que pretendem demolir a Igreja. Em nome do “contexto cultural pluralista”, e da ” valorização da alteridade”.
Ele é um herege demolidor infiltrado na Igreja e que quer permanecer nela, para destruí-la. E ele confessa isso mesmo. E conta com a sua simpatia.

Como você é caridoso…

Ainda agora, os teólogos da libertação, isto é, os teólogos da escravidão castrista, estão organizando uma rebelião geral contra o Papa Bento XVI, pela sua condenação à “teologia” de Jon Sobrino.
Padre Libânio apóia essa rebelião ?
Ele vai defender o papa durante a reunião do Celam?
Ele participou da redação do documento dos Jesuítas de Belo Horizonte fazendo o elenco dos pontos “inegociáveis” que o Papa teria que aceitar, na reunião do Celam?

Você me pinta como alguém que não se importa com os pobres…
Como sabe você se ajudei ou não alguns pobres?
O que minha mão direita fez, por caridade, nem minha mão esquerda pode saber, quanto menos você que nem conheço! Você, que é da esquerda!

E, se você é seguidor das heresias da teologia da libertação de Padre Libânio, você já não tem Fé. E, por isso mesmo, já não pode ter caridade, pois sem a verdadeira Fé não há caridade.

Que Deus o esclareça nessa Páscoa que se aporxima, fazendo-o clamar por Cristo e não aderir ao contexto cultural pluralista que grita “Crucifica-o”, e nem ter o respeito da alteridade para com Barrabás.

Passe bem.

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

 

*O professor Orlando Fedeli foi presidente da Associação cultural Montfort de 1983 a 2010.

image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão