1265- O Que a Montfort Defende?

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão

Orlando Fedeli

O Que a Montfort Defende?

 

  • Localização: Maceió – AL

Caro professor Orlando Fedelli,

Muito me espanta o quanto em curtas linhas o senhor consegue afirmar aquilo o que eu outrora havia repetido: Nemo dat quod non habet. De fato, ninguém dá aquilo que não tem, e minha pretenção não foi nunca de tentar ensinar algo ao senhor, até porque pela sua formação, experiência e sabedoria, não há como comparar meu conhecimento telógico com o seu.

Ainda volto a afirmar, que o senhor não pode dar aquilo que não tem. E ser Igreja, significa “ser amor”. Ou ser de Deus, aquilo que se é afirmado no Pai-nosso, é deixar com que “Deus seja tudo em todos”, e como na sua primeira encíclica o Papa Bento XVI titulou: “Deus caritas est”, e ser Igreja, defender a fé católica, exige um minímo de caridade, o laço com a perfeição, a qual busco, e imagino também que o senhor a busque, a perfeição em Deus.

Na resposta a minha carta, o senhor afirmou que a Missa não é uma ceia, e de fato não é, apenas. O senhor me indicou a Mediator Dei de Pio XII, e lá se encontra redigido o seguinte: “A Igreja, pois, fiel ao mandato recebido do seu Fundador, continua o ofício sacerdotal de Jesus Cristo, sobretudo com a sagrada liturgia. E o faz em primeiro lugar no altar, onde o sacrifício da cruz é perpetuamente representado e renovado, com a só diferença no modo de oferecer;” Continuar o ofício sacerdotal de Jesus Cristo, mesmo que como Igreja discente, significa assumir uma realidade talvez maior do que o conhecimento puramente teológico. – “onde o sacrifício da cruz é continuado” – o senhor, mais do que eu, sabe que a Redenção tinha de passar pela cruz, que o erro dos fiéis no princípio, foi de não entender o “escândalo da cruz”. Ou seja, se na Santa Missa representamos o “sacrifício da cruz”, então é na mesma que se inicia o projeto da Salvação, é lá, na hóstia consagrada, que Cristo ressucita em nós, que o Deus amor, se faz vivo em cada um de nós. Ainda sobre a representação da grandeza de Cristo, a qual comentei e o senhor acusa de erro, encontra-se assim escrito por Pio XII: “Os infinitos e imensos méritos desse sacrifício, com efeito, não têm limites: estendem-se à universalidade dos homens de todo lugar e de todo tempo, porque, nele, o sacerdote e a vítima é Deus Homem; porque a sua imolação como a sua obediência à vontade do Eterno Pai foi perfeitíssima, e porque foi como Cabeça do gênero humano, que ele quis morrer.” Se os infinitos méritos da cruz não correspondem a grandeza de Deus, não sei em que o Senhor acredita.

“Vós sois templos do Espírito Santo”. “Amai-vos uns aos outros assim como Eu vou amei”. Caro Orlando, ser Igreja, ainda que discente, é ser amor. É respeitar o sacrifício de Cristo para com a humanidade e difundir a verdade que é caridosa, que é sabedoria do altíssimo e não tradicionalismo interpretativo como o senhor julga ser.

Que bom que o senhor admite: “Sempre ensinei o oposto: o Vaticano II foi FALÍVEL”. Afinal o senhor também sabiamente conclui: “Nós não somos a Igreja.”, então não cabe ao senhor definir aquilo o que é válido ou não.

O senhor ainda me indica orar pela vitória sobre a presunção. Que o Senhor me faça humilde. esvazie meu ser e preencha-o com Sua sabedoria, com sua história que me é entregue pela Eucaristia.

Que Deus o abençoe.

Dei, solum.
———————-

Muito prezado,
Salve Maria.

Você declara que não sabe o que a Montfort* defende. Mas, apesar de não saber o que defendo, me critica. Uma coisa você sabe: que eu não tenho caridade. Coisa que só Deus pode saber, pois só Deus conhece o que somos realmente. Mas pelo menos você imagina que eu busque a perfeição. O que já é alguma coisa.
Você diz que Deus é amor…
Diga-me: que é o amor?
E como o Deus Amor escreveu o terrível Salmo CVIII?
É o amor que o faz me escrever manifestando tanta amargura e insatisfação em sua alma?
Disse-lhe que pedisse a Deus graças para você vencer sua presunção.
Ora eis o que você escreveu, julgando estar pontificando e ensinando:

“Ou seja, se na Santa Missa representamos o “sacrifício da cruz”, então é na mesma que se inicia o projeto da Salvação, é lá, na hóstia consagrada, que Cristo ressucita em nós, que o Deus amor, se faz vivo em cada um de nós”.

Meu caro, dizer que na Missa “representamos” o sacrifício da Cruz é heresia. A Missa não é um teatro onde se representa a morte de Cristo na Cruz. Na Missa se renova misticamente a morte de Cristo.
E também não é certo dizer que Deus se faz vivo em nós pela Missa e pela comunhão. Cristo está vivo, pois já ressuscitou. Cristo não nos torna vivos quando comungamos. Ele aumenta então a vida da graça em nós, se bem comungamos. Pois que para receber a Cristo eucarístico devemos já antes estar vivos pela graça santificante. É sacrilégio comungar estando mortos pelo pecado mortal.
Esta pequena lição caridosa a dou para ajudar sua alma a ser um pouco mais humilde.
E desde quando eu me disse tradicionalista?
Claro que defendo a Tradição da Igreja, mas evito dizer-me simplesmente tradicionalista por causa dos múltiplos sentidos que essa palavra tem. Por exemplo, o Vaticano I, o Concílio infalivel de 1870, condenou o fideísmo dos filósofos tradicionalistas. A TFP se diz defensora da Tradição e o gnóstco Rene Guenon chamava a Gnose de Tradição. E Cristo condenou a tradição (cabalah) dos fariseus.
Ao me atribuir o adjetivo tradicionalista, você mostra a presunção de saber o que é o tradicionalismo, e o que pretende saber de mim mesmo internamente.

Em suma, você pretende dar o que não tem: sabedoria e humildade, bancando ter uma caridade que não possui, pois não pode haver caridade sem a verdade.
In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

PS. Poderia perguntar-lhe qual é a sua profissão? Por que você não a colocou em seus dados pessoais? Estudou você em seminário? Seu estilo e seu “amor” me parecem tão seminarísticos… ou será imaginação minha? OF

 

 

*O professor Orlando Fedeli foi presidente da Associação cultural Montfort de 1983 a 2010.

image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão