1640- Questões Sobre a Existência de Deus

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão

Orlando Fedeli

Questões Sobre a Existência de Deus

 

  • Localização: Portugal

Caríssimos membros da Montfort*,
Salvé Maria!

Antes de tudo, professor Orlando Fedeli, informo-o que estou a passar para computador as promessas de Jesus a Santa Brígida, para lhe enviar, o que farei muito em breve. O senhor, ou quem estiver a ler esta carta, deve-se questionar o porquê de em “religião” ter colocado “Outras – escreva abaixo”. Passo a explicar. Nestes últimos dias fui atacado por uma forte crise de Fé. Deixei de ter a certeza da existência de Deus, infelizmente. Portanto, penso que não me posso considerar Católico. Devo confessar que sinto muito a falta da nossa Santa Religião. Valendo-me deste site, consultei as provas da Existência de Deus. Porém, não as compreendi muito bem. Peço-lhe, portanto, caro professor ou quem for, a sua caridade para comigo, que ando à procura de Deus. Que seja eu digno de bradar “Salvé Maria” no começo desta carta. Quero-lhe fazer algumas perguntas:

1- É evidente que, na natureza humana, existem duas “tendências” opostas. Por um lado, temos a nossa natureza decaída e tendente ao pecado. Por outro, temos a Moral, gravada nas nossas consciências. Ambas nos puxam para lados contrários. A nossa natureza puxa-nos para a sexualidade desregrada, o egoísmo e o ódio. Mas a nossa consciência puxa-nos para o regramento sexual, o altruísmo e o amor. Como demonstraríamos que a virtude (o regramento sexual, o altruísmo, o amor) é realmente o que devemos praticar e não o pecado?

2- Não compreendi muito bem a Prova do Movimento de S. Tomás de Aquino. Não compreendi porque é que a sequência de um movimento não pode ser infinita.

“Se a sequência de movimentos fosse infinita, sempre a potência precederia o ato, e jamais haveria um ato anterior à potência. É necessário que o movimento parta de um ser em ato. Se este ser tivesse potência, não se daria movimento algum. O movimento tem que partir de um ser que seja apenas ato.

Portanto, a sequência não pode ser infinita.”

O professor ao dizer portanto, dá a entender que no primeiro parágrafo está explícito que a sequência não é infinita. Porém, não está muito claro para mim.

“Ora, esses movimentos se dão no espaço e no tempo. Tempo-espaço são mensuráveis. Portanto, não são movimentos que se dão no infinito.

A sequência de movimentos em tempo e espaço finitos tem que ser finita.

E que o universo seja finito se compreende, por ser ele material. Sendo a matéria mensurável, o universo tem que ser finito.

Que o universo é finito no tempo se comprova pela teoria do Big Bang e pela lei da entropia. O universo principiou e terá fim. Ele não é infinito no tempo.

Logo, a seqüência de movimentos não pode ser infinita, pois se dá num universo finito.”

Porque é que concluímos que o movimento não é infinito? E o que tem isso a ver com o tempo e o espaço serem mensuráveis? Porque concluímos que o universo é finito devido à matéria ser mensurável? Prove-me que o universo não é infinito.

3- Como podemos saber, à luz da razão, que só existem dois planos, o plano material e o plano espiritual? Como sabemos que não existem outros planos para além desses, em que existiriam movimentos infinitos que seriam o ato dos nossos?

4- Admitindo que existe a Causa das causas, como sabemos que Ela é um Ser infinito e infinitamente Bom, Verdadeiro, Misericordioso, cheio de Amor e Perdão, enfim, com todas as qualidades? Isso é demonstrável pela razão? Como sabemos que a Causa das causas não é um Ser infinitamente mau e mentiroso?

5- Que Deus foi o Deus do Judaísmo e mais tarde Deus do Cristianismo é um artigo de Fé, certo?

É tudo, caro irmão ou irmã. O senhor ou senhora deve estar surpreendido e triste pela minha perda de Fé. Também eu estou triste. Conto consigo e perdoe-me pelo incómodo.

Que o Divino Menino Jesus Milagroso de Praga nos abençoe,

————————–

Muito prezado ,
Salve Maria.

Perdoe-me a demora em atender e responder a sua carta. O excesso de correspondência, a redação de artigos e minhas múltiplas viagens a dar palestras são minhas escusas por essa demora.
Passo a responder seus questionamentos em ordem lógica. E começo por sua dúvida na prova da existência de Deus.

I EXPLICAÇÃO SOBRE A SEQUÊNCIA FINITA DO MOVIMENTO

Aristóteles e São Tomás explicam que a série de movimentos que constamos no mundo não pode ser infinita. Dou-lhe as provas disso detalhadamente:

1 – porque na coisa que muda, a potência vem antes do ato.
Assim, uma parede branca que muda para cor vermelha , por que é pintada de vermelho, nela a potência paar o vermelho existe antes que o ato de vermelho nela.
Mas no movimento, na mudança sempre o ato tem que existir primeiro. Se não existe a tinta vermelha em ato não haverá mudança de cor na parede branca com potência para o vermelho. Logo, em toda mudança o ato sempre precede a potência.
Ora, na sequência de mudanças analisadas sempre a potência vem antes do ato, e isso não pode ser assim sempre, porque a mudança tem que começar por um ser em ato.

2 – Outra prova de que se a sequência de movimentos apresentada fosse infinita, ela não poderia ser dividida pois o infinito não é divisível. Ora, na sequência apresentada há um série de movimentos distintos uns dos outros e isso só pode se dar no que é finito. Logo a sequência de movimentos tem que ser finita e começar por um ser em ATO.

II EXPLICAÇÃO SOBRE A FINITUDE DO UNIVERSO

O universo não é infinito e disso há muitas provas. Dou-lhe só duas por falta de tempo, visto que também meu tempo é finito.

Prova número 1:

Toda a matéria é mensurável. O universo é material. Logo, o universo é mensurável.

O infinito não pode ser medido. Ora, o universo material é mensurável. Logo, o universo material é finito.

Prova número 2:

Se imaginarmos que o universo é infinito, teria que existir realmente um ponto Z infininatamente distante da Terra (ponto T).
Ora da Terra à Lua a distância é finita (F).
Da Lua ao Sol a distância é finita (F).
Do Sol a Júpiter a distância é finita (F).
De Júpiter a Plutão a distância é finita (F).



Do imaginado ponto Z até um ponto mais róximo dele Y a a distância é finita (F).
De Y ao ponto X a distância é finita (F).
De X ao ponto mais próximo dele W a distância é finita (F).

Portanto, somando todas essas distâncias teríamos: F + F + F + F + F + ….. + F + F + F = total F
Porque a natureza de um total tem que ser da mesma natureza que as parcelas que o formam.
Portanto, o universo é finito.

O universo é indefinido e não infinito. Indefinido é aquilo que sempre tem potência para aumentar ou diminuur.
O universo como a numeração são indefinidos e não infinitos. O indefinido é infinito em potência jamais em ato.
Só Deus é infinito real, em ATO, pois em Deus nada pode ser aumentado e nem diminuído, pois Deus não tem nenhuma potência passiva.

III Explicação

Imaginar que existam outros “planos” além do material e do espiritual é imaginar o quinto lado de um triângulo.
Mova-se pela razão, não pela imaginação.
IV Explicação

Releia as provas da existência de Deus . Isso já está respondido lá. Se Deus é ato puro, sem potência passiva, Ele tem que ter todas as qualidades em garu absoluto, pois se pudesse aumentar ou diminuir suas qualidades, Ele teria potência.

V Explicação

O mal enquanto ser não existe. Se existisse um ser absolutamente mau, ele não teria nenhuma qualidade boa. Ora, existir é um bem. Se o mal absoluto existisse ele teria o bem da existência e não seria mal absoluto. Logo, o mal absoluto não existe.
O mal não é ser. O mal não é substancial. Tudo o que existe é bom.
O mal moral existe, isto é, só existem ações más, e não coisas más.

VI Explicação

Todo pecado é um ato contra a razão. Nossas tendências más vão contra a razão e são consequência do pecado original que danificou nossa natureza, que originalmente foi feita inteiramente boa e tendente ao bem por Deus.
Você me diz que perdeu a Fé na existência de Deus.
A existência de Deus não é artigo de Fé. Prova-se pela razão que Deus existe.
Você tem dificuldade em aceitar que Deus exista, porque você, de fato, não quer que Ele exista.
Seu problema é moral e não intelectual.
Vença suas tendências para o mal, e lhe ficará fácil entender os argumentos que comprovam que Deus existe.
Reze e estude. Que Nossa Senhora que é nossa Mãe bondosíssima lhe alcance de Jesus, Deus de misericórdia infinita a graça de vencer suas dificuldades no campo moral e intelectual.
Um abraço,

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

*O professor Orlando Fedeli foi presidente da Associação cultural Montfort de 1983 a 2010.

image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão