391- Paulinismo

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão

Orlando Fedeli

Paulinismo

 

  • Localização: Brasília – DF – Brasil

 

 

Antes de mais nada gostaria de parabeniza-los pelos excelentes artigos, inclusive a seção Perguntas & Respostas que considero sensacional e, até mesmo, hilariante em algumas respostas dadas.

Bem, apesar de não ser católico e nem protestante, tento ser cristão. Digo tento ser porque, dentro das minhas limitações culturais/filosóficas/doutrinárias, ser cristão é muito difícil, pois perdoar 70 x 7, dar a outra face e não desejar ao próximo aquilo que não desejamos para nós, só para citar alguns principios critãos, é realmente penoso.

Mas mesmo assim tento, pois reconheço que o cristianismo coloca nas mãos do homem a responsabilidade pelos seus atos. E eu acredito nisso. Gosto disso.

Então eu continuo tentando, procurando ter estes princípios sempre em mente e me esforçando para olhar o meu semelhante como o meu companheiro de caminhada e não como um inimigo.

Bem, mas vamos ao que interessa.

Tenho pouquíssimo conhecimento sobre as histórias das igrejas católica e protestante, mas sei que houve, ao longo dos séculos, alguns momentos que denegriram a imagem de ambas e que tais fatos foram motivados, geralmente, por questões econômicas, políticas e perpetuação do poder.

Bem, há algum tempo li uma matéria que citava Paulo como o responsável pelo primeiro ato que denegriu o cristianismo, que a tal história do encontro na estrada de Damasco não passou de encenação para convencer os crentes, que ele adulterou o cristianismo, sendo o mentor da igreja como a vemos hoje, que ele acabou com o cristianismo primitivo e criou o que se pode chamar de paulinismo, uma espécie de manipulação da crença dos primeiros cristãos de modo a moldar e conduzir tal fé em beneficio das classes dominantes.

Não tenho nenhuma opinião formada sobre o assunto, e nem tenho conhecimento para formar tal opinião, por isso gostaria de conhecer a visão que a igreja católica tem sobre o assunto.

Quero deixar bem claro que não quero ofender e nem denegrir a imagem da igreja, apenas gostaria de saber mais sobre o assunto.

Não procurei obter tal informação de alguém ligado a igreja protestante porque se ser cristão já é dificil, para manter contato com os protestantes tem-se que ser santo e ter um elevadíssimo grau de tolerância e paciência. Coisa que definitivamente não tenho.

Grato.

 

————-

 

Prezado, salve Maria.

Agradeço seus comentários, e estimo que até se divirta com algumas das cartas do site Montfort*.

Fico contente com a sua sinceridade, e mais ainda com o seu bom desejo de lutar contra suas falhas, tentando por em prática os princípios do Cristianismo. Se você me permitir, quero ajudá-lo nessa sua luta, com dois conselhos:

1) É um erro pensar que podemos vencer nossas dificuldades sem recorrer a Deus. Recomendo-lhe que diga a Nossa Senhora que você tem pouco “vinho”, e que pede a Ela que rogue a Jesus, como em Caná, que transforme a “água” de sua alma em vinho excelente.

2) Ninguém se salva sozinho.

Uma brasa fora da fogueira se apaga e vira carvão. Recolocada na fogueira, acende-se com facilidade, fica brilhante e dá calor.

Por isso lhe ofereço a nossa amizade (minha e de meus alunos) e mesmo, para estudar em nossa companhia — se você nos honrar assim — para que, juntando nossas poucas forças, sejamos capazes, Deus ajudando, de produzir uma boa labareda em nossas almas.

Quanto ao que você me pergunta de São Paulo, é fácil responder-lhe.

Se se recusa o que diz a Sagrada Escritura, quando ela conta o milagre da conversão de São Paulo — seu padroeiro — dever-se-ia então recusar a Bíblia enquanto tal, pois que, se ela mentiu num ponto, ela não é de Deus. Logicamente, se deveria recusar toda a a Escritura.

São Paulo não mudou a doutrina de Cristo, pois está dito que, depois que se converteu, ele subiu a Jerusalém ver a Pedro para conferir o seu evangelho com o de Pedro (Epístola aos Gálatas , I , 18). E São Pedro ficou preso com São Paulo na mesma cadeia, a Mamertina, morrendo mártir no mesmo dia que São Pedro, pela mesma fé.

Não é preciso desculpar-se por sua pergunta. Sua boa intenção transparece a cada linha de sua carta.

In Corde Jesu, semper, e bem contente por sua missiva,
Orlando Fedeli.

 

 

 

*O professor Orlando Fedeli foi presidente da Associação Cultural Montfort de 1983 a 2010.

image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão