394- Falta de Caridade

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão

Orlando Fedeli

 Falta de Caridade

 

  • Localização: Rio de Janeiro – RJ – Brasil

 

 

Queridos irmãos em Cristo.

Gosto muito do que Vocês argumentam baseados em documentos da Igreja, mas sua linguagem debochada em relação à Igreja, seus pastores, à TFP e outros desafetos seus deixa transparecer que falta o principal em católicos, que é a caridade.

Henri de Lubac foi suspenso por Pio XII. No seu exílio intelectual escreveu um verdadeiro poema de amor à Igreja que são as suas “Méditations sur l”Eglise”.

E também quando entram na política, como no artigo de Marcelo Fedeli de 25 de outubro de 2001 são de uma ingenuidade que chega a ser irresponsável. Sobre a autodefesa da Inglaterra (?) e Estados Unidos, gostaria que lessem: Terror contar o Estado Nacional – EIR, que se pode adquirir pelo endereço eletrônico ocomplo@terra.com.br

Se querem discutir, mantenham-se – é um conselho amigo – no terreno religioso, da doutrina, porque em política “há mais coisas entre o céu e a terra do que pode imaginar a nossa vã filosofia”. E não falem mais de “legítima” defesa do império mais cruel que a humanidade tem visto.

Com todo o respeito.

 

—————-

 

Rev. Padre, salve Maria.

É uma alegria e um prazer receber uma carta de um sacerdote, porque nos permite – o que é raro – iniciar nossa resposta pedindo que nos abençoe. Bendito o que vem em nome do Senhor.

O senhor afirma gostar de nossos argumentos, pois reconhece que nos fundamentamos em documentos da Igreja. Muito obrigado por esse elogio e por esse reconhecimento.

Porém, depois, o senhor nos critica, dizendo que usamos “linguagem debochada em relação à Igreja, seus pastores, à TFP e outros desafetos seus deixa transparecer que falta o principal em católicos, que é a caridade”.

Padre, permita que, com todo o respeito por seu caráter sacerdotal, repilamos essa acusação, porque ela não tem fundamento. Pautamos nossa conduta sempre em respeitar a Santa Igreja pela qual queremos viver e morrer.

O senhor não poderá citar uma carta sequer na qual tenhamos respondido de modo “debochado” a uma autoridade eclesiástica. E muito menos em relação à Igreja, que é a única coisa pela qual existimos, e cuja defesa é a razão fundamental de nosso site.

Sempre fizemos e fazemos questão de responder com reverência aos poucos sacerdotes que nos escreveram. Aliás, o próprio tom desta carta comprova o que dizemos.

Não compreendemos também porque o Sr. mistura os pastores da Igreja com a TFP “e outros desafetos”.

Pelo que sabemos, os pastores da Igreja não apóiam a TFP, nem se sentem unidos a ela…

Por acaso, Vossa Reverendíssima é ligado à TFP?

Vossa Reverendíssima nos acusa ainda de faltar com a caridade.

Também contra isso, permita-nos – com todo respeito – protestar.

A caridade manda corrigir os que erram, e manda mesmo, em certos casos, atacar os que erram. Foi o que fez o próprio Nosso Senhor Jesus Cristo com os fariseus, escribas e doutores da lei. Ou será que, quando Nosso Senhor Jesus Cristo os atacava com palavras bem duras, faltava Cristo com a caridade? Nós nunca chamamos ninguém de “sepulcro caiado” ou de “filhos do demônio”.

Provavelmente, o senhor considera que a ironia que usamos, por vezes, para profligar os inimigos de Deus seja falta de caridade. Mas esse julgamento – permita-nos lembrar-lhe com o devido respeito -não tem base na doutrina católica. Os santos sempre usaram esse método, quando ele foi necessário, para combater certos hereges. Basta ler o que escreveu São Bernardo, ou o que escreveu Davi, nos salmos, para comprovar o que dizemos. Ou as cartas de São Jerônimo, que  sendo santo, Doutor e Padre da Igreja, não pode ser acusado de não ter caridade (Em apêndice, tomo a liberdade de lhe enviar a tradução de cartas de São Jerônimo ao herege Vigilâncio).

O senhor cita o padre (depois, Cardeal de Lubac) como exemplo de amor à Igreja.

Ora, Padre, esse Cardeal era modernista, e sua doutrina foi justamente censurada por Pio XII.

Ou o senhor acha que Pio XII errou ao condenar a chamada Nova Teologia?

O senhor aceitaria as teses da Nova Teologia?

Não creio, Padre, que o senhor repila a condenação de De Lubac, feita por Pio XII.

O Cardeal De Lubac deveria ter acatado imediatamente a correção feita pelo Papa, e renegado as teses que Pio XII condenou. Fazer poesia sem renegar os erros condenados pelo Papa não é amor verdadeiro pela Igreja.

Obviamente sem pretender dar-lhe lição, pois sou um simples leigo e o senhor é sacerdote, mas só para recordar permita que lhe lembre que, sem a verdadeira fé, não é possível haver caridade.

E será que a caridade permite chamar um de nossos articulistas de “irresponsável”?

Saiba, Padre, que a tese de que a Inglaterra e os Estados Unidos tinham direito a responder ao ataque terrorrista de Bin Laden com a força foi endossada pelo Cardeal Ratzinger, e confirmada pelo porta voz do Vaticano, Navarro Valls. Nosso colaborador Marcelo Fedeli reproduziu a mesma tese defendida por Ratzinger e pelo porta-voz do Vaticano, e criticou a tese oposta, que Monsenhor Martino, observador do Papa na ONU, defendeu, condenando o que o Cardeal Ratzinger e Navarro Valls haviam defendido.

Por essa razão, perguntou o autor do artigo que o senhor considera irresponsável: a quem seguir?

O senhor, pelo visto, prefere seguir a posição justificadora do ataque terrorista de Bin Laden, defendida por Monsenhor Martino. Nós seguimos o que afirmou o Cardeal Ratzinger e o porta-voz da Santa Sé. Os quais, aliás, só repetiram a tese da legítima defesa, aprovada pela doutrina da Igreja Católica.

Portanto, Padre, seria ao Cardeal Ratzinger e ao porta-voz do Vaticano que – indiretamente – o senhor chama de “irresponsáveis”?

Sua critica à reação americana poderia levar seus leitores ao equívoco de que o senhor defenderia a legitimidade dos atentados terroristas de Bin Laden, o que seria uma imprecisão lamentável.

É claro que o senhor não pode defender atos de terrorismo, mesmo contra os Estados Unidos, porque o terrorismo, de si, é criminoso e contrário à caridade, não é verdade, Padre?

Se o senhor nos quiser esclarecer como e por que nós deveríamos deixar de acatar o que disseram o Cardeal Ratzinger e o porta-voz do Vaticano, nós o ouviremos com respeito, porque o senhor é sacerdote. Mas, mesmo o Sr. não poderá nos convencer de que é ilegítimo reagir a um ataque terrorista, porque essa tese é contrária à doutrina católica, e contrária à caridade. Quanto à sua opinião sobre o “império mais cruel que a humanidade tem visto”, permita-me dizer-lhe, Padre, com todo o respeito que se lhe deve – e falo como professor de História – que esse título de mais cruel império da História é muito difícil de ser dado.

Sem querer defender os Estados Unidos, parece-me que o senhor olvida a História da Revolução Francesa, que assassinou centenas de milhares de pessoas, ou a Historia da URSS, ou a história do nazismo. Recomendo-lhe que leia, por exemplo, a obra “O livro Negro do Comunismo” escrito por dois ex-comunistas.

Recomendo-lhe ainda a leitura do livro “A Guerra Civil Espanhola” de Hugh Thomas (e esse também é um autor insuspeito, por ser esquerdista), onde ele afirma que nunca na História se viu tanto ódio à Igreja como nessa guerra. Também seria bom lembrar dos martírios que sofreu a Igreja no México, no século XX, quando o Partido Revolucionário Institucional, que tiranizou o México, durante muitas décadas perseguiu brutalmente os padres, fazendo milhares de mártires. Recomendo-lhe que leia a vida e o martírio do Padre Pró. E não se esqueça de ler a história de Fidel, o “democrático” tirano do Paredón cubano.

Agradecendo sua boa intenção de nos bem corrigir e aconselhar, rogando que reze por nós e pedindo sua benção, nos despedimos

in Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli.

P.S.

Trechos da carta de São Jerônimo a Vigilâncio. “Considero, ademais, que teu nome te foi imposto por antífrase. Porque tu dormes com todo o teu espírito, e o profundíssimo sono que te faz roncar é antes letárgico. Com efeito, entre as numerosas blasfêmias que tua boca proferiu, eis o que tu ousaste dizer: a montanha da qual — no livro de Daniel — foi arrancada uma pedra sem a mão de um homem, é o diabo; a pedra, seria Cristo que assumiu o corpo de Adão, o qual antes estava ligado ao diabo por seus pecados; Ele nasceu da Virgem, para separar o homem da montanha, isto é do diabo. Ó língua a ser cortada, a rasgar em tiras e em pedaços ! Há um só cristão que interprete que Deus Pai todo poderoso desempenha o papel do diabo e que ouse sujar os ouvidos do mundo inteiro com tal blasfêmia? “
(São Jerônimo, Cartas, Les Belles Lettres, Paris, 1953, Carta LXI. A Vigilâncio, vol. III, pg.114. A Tradução da versão francesa é de OF).

Como, o senhor pode notar, Padre, São Jerônimo ironiza o nome de seu oponente. Faz mais: deseja que sua língua seja cortada. Desse modo fica provado que não é contra a caridade, em certas ocasiões e na devida medida, usar de ironia para combater os inimigos de Deus e da Igreja.

Respeitosamente, in Christo,
Orlando Fedeli

 

image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão