467- Refutação de Argumentos Contra a Pena de Morte

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão

Orlando Fedeli

Refutação de Argumentos Contra a Pena de Morte

 

  • Localização: Brasil

 

Olá Professor Orlando, sou estudante de jornalismo da PUC-Rio e estou cursando uma disciplina de jornalismo internacional. Nessa disciplina tenho que fazer uma matéria sobre pena de morte. Levando em consideração que o senhor tem uma opinião a favor da pena de morte, gostaria de saber se o senhor se incomodaria de responder algumas perguntas?

De qualquer forma, já estou enviando as perguntas:
1) Baseado na Bíblia, o senhor se diz a favor da pena de morte. O que diz a Bíblia que comprove isto?

2) Um estudo feito nos Estados Unidos comprova que os negros são muito mais condenados a morte do que os brancos, na mesma situação. O que o senhor acha disso?

3) O estudo diz ainda que uma pessoa que assassina um branco tem seis vezes mais chances de ser condenada a morte do que a que assassina um negro.

4) Já tiveram vários casos em que depois de morto, for provado que o condenado era inocente. Nesse caso, o que diz a Bíblia? E você?

5) Você não acredita que há outros meios mais eficientes de se punir um criminoso, como a prisão perpétua, por exemplo? Afinal, não somos os criadores, não devemos tirar a vida de ninguém.

É isso, aguardo ansiosamente uma resposta.

Desde já, obrigada.

————————

Prezada, salve Maria.

Tenho muito prazer em atender às suas perguntas sobre a pena de morte.

Devo lembrá-la que não tenho “opinião” sobre a pena de morte. Sigo o que Deus e a Igreja Católica ensinam sobre isso.

1- A resposta à primeira pergunta você pode encontrá-la no site Montfort*, onde tratei disso, em muitas cartas e artigos, nos quais você achará as citações da Bíblia favoráveis à pena de morte, quer no Antigo Testamento, quer no Novo, nas palavras de Cristo. Cito-lhe, para atendê-la apenas uma frase de Cristo, no Apocalipse: “Quem matar à espada importa que seja morto à espada” (Apoc. XIII, 10).

Recomendo-lhe que veja especialmente meu debate com o jurista Sr. Bicudo, vice prefeito de São Paulo, assim como uma carta intitulada “Meu primo Maxililiano”.
2-Quanto à segunda pergunta, se essa estatística for verdadeira ela prova uma injustiça dos tribunais americanos, e não que a pena de morte seja ilícita em si mesma. O argumento é um sofisma demagógico.

Também em Roma antiga a pena de morte foi aplicada injustamente aos cristãos. E nem por isso, a pena de morte em si mesma, passou a ser injusta. Apenas é injusto aplicá-la a inocentes.

3- De novo um sofisma que, em vez de discutir a pena de morte, desvia o assunto para o racismo americano. Este é outro assunto.

4 – A Bíblia diz que condenar — de propósito — um inocente à morte é tão injusto, quanto deixar de punir um criminoso.

Você deve conhecer o axioma jurídico: “Abusus non tollit usum”” O abuso não anula o uso. Pode-se abusar da mão ou da escrita. Isso não torna proibido o uso da mão nem o direito de escrever.

O abuso da pena de morte, não a torna ilegítima.

Qualquer tribunal pode errar. Mas um erro sem intenção não legítima a abolição da pena de morte. Se um erro possível tornasse ilegítima uma pena, também não se poderia condenar ninguém à prisão, porque há sempre possibilidade de erro. Houve inúmeros casos em que a pena de prisão foi dada a inocentes. Nem por isso, a condenação a prisão deve ser proibida.

5 – Minha cara, a pena máxima não pode ser a prisão perpétua, porque ela daria ao condenado a possibilidade de matar um colega de cárcere, ou um vigilante, sem poder ser punido.

Que pena se daria a um condenado à prisão perpétua que matasse um companheiro de cárcere?

Mais trinta anos de cadeia a acrescentar à perpetuidade de sua pena?

O caso do tal Fernadinho Beira Mar demonstra a inutilidade da prisão perpétua. Ele continua dirigindo o crime organizado lá de dentro de sua prisão, e não adianta nada aumentar a duração de sua pena. Mesmo que ele fosse condenado à prisão perpétua, ele continuaria dirigindo o crime desde a cadeia. E aí?

Há casos que só a pena de morte é a punição necessária e justa. A pena máxima deve ser a perda do bem natural máximo. E o máximo bem natural que temos é a vida.

E seu argumento que não devemos tirar a vida de ninguém é falso, pois quem tira a vida do criminoso não somos nós individualmente, e sim a sociedade enquanto tal que o faz.

É o poder da sociedade que vem de Deus e não do povo, que tira a vida de um criminoso. E Deus pode tirar a vida. Por isso Cristo disse a Pilatos que ele tinha o poder de condenar à morte, porque esse poder lhe fora dado do alto: “Não terias esse poder se não te fosse dado pelo alto” (Jo XIX, 11).

O todo vale mais que a parte. Se a parte ameaça o todo, o todo tem o direito de eliminar a parte que a ameaça. Assim, o corpo (todo) é mais que a mão (parte). Se alguém tem câncer na mão (parte), câncer que ameaça a vida do corpo todo, há direito de amputar a mão, para salvar o todo. Assim, o criminoso é parte da sociedade. E se, com seus crimes, ele ameaça a vida da sociedade, esta tem o direito de eliminar a parte (o criminoso), para salvar o todo (a sociedade).

E este argumento é de São Tomás de Aquino.

Por fim, a não punição dos criminosos faz com que o crime se alastre. O crime é contagioso como a peste. E isto é o que estamos vivendo aqui, no Brasil, hoje: os criminosos não são punidos, e o crime se alastra.

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

 

 

*O professor Orlando Fedeli foi presidente da Associação Cultural Montfort de 1983 a 2010.

image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão