598- Graça e Natureza

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão

Orlando Fedeli

Graça e Natureza

 

  • Localização: Brasil

 

A graça pressupõe a natuza. Qual o significado prático dessa afirmação, considerando a influência Divina sobre o psiquismo humano.

 

—————–

 

Prezado, salve Maria.

Deus criou o homem composto de corpo material e de alma racional. Em nossa alma, possuímos três faculdades ou potências (Note: não são partes da alma, mas capacidades da alma) que são a capacidade de conhecer, ou inteligência; a capacidade de querer ou vontade; e a capacidade de sentir, ou sensibilidade.

Deus, além de nos dar essa natureza, bondosamente quis nos dar ainda um bem infinitamente maior: a graça santificante.

Isso significa que Deus quis que nós participássemos da sua vida divina.

Assim como um ferro, colocado ao fogo, fica em brasa, continuando, porém, a ser naturalmente ferro, assim também, Deus quis viver em nossa alma.

Pelo Batismo, recebemos a Deus na alma, por meio da graça habitual ou graça santificante, que nos torna filhos adotivos de Deus e herdeiros do céu.

Quando estamos em estado de graça, quando Deus vive em nossa alma, continuamos a ser seres humanos. Porém, assim como o ferro em brasa continua a ser ferro, mas adquire a luz e o calor do fogo, assim também nós, continuando a ser puramente e naturalmente homens, podemos agir junto com Deus, e assim adquirir méritos infinitos. A graça nos faz semelhantes a Deus. Viver em estado de graça é viver numa ordem acima da natureza, ter vida sobrenatural.

A vida sobrenatural, supõe a vida natural. Isto é, Deus só pode dar a sua vida a nós, porque somos naturalmente racionais, com inteligência e vontade, como Ele mesmo tem Inteligência e Vontade infinitas.

Se recebemos a graça santificante pelo Batismo, nós a perdemos quando cometemos pecado mortal, que é uma expulsão de Deus de nossa alma. Com a confissão dos pecados, Deus nos perdoa e nos torna a dar a vida da graça, a participação em sua vida divina.

Esperando tê-lo atendido, me subscrevo atenciosamente,

in Corde Jesu, semper,

Orlando Fedeli.

image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão