645- Volta dos Ortodoxos Para a Igreja Católica

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão

Orlando Fedeli

Volta dos Ortodoxos Para a Igreja Católica

 

  • Localização: Salvador – BA

 

Caro Sr.

Como está? Espero que esteja bem e gozando de boa saúde para, como sempre, responder às dúvidas sinceras e inquietantes de muitos…

Nasci, resido e trabalho em Salvador, cidade repleta de igrejas mas cuja fé do povo, infelizmente, encontra-se a esfriar… Espero que um dia este quadro mude para a melhor… Ah! Já esteve em Salvador? É uma cidade histórica e pitoresca… Certamente gostará e aproveito para convidá-lo a vir quando quiser!

Bem, vamos ao assunto que me motivou a escrever este humilde e-mail…

Hoje (08/05/2005) assisti ao sepultamento do papa e achei muito comovente… Principalmente no momento em que os representantes das Igrejas Ortodoxas oraram pelo mesmo.

Muito triste o Cisma do Oriente (1054) que dividiu os dois pulmões do Corpo de Cristo. O que o Sr. sabe sobre a reconciliação entre as duas partes da cristandade? É, na sua respeitada opinião, possível que isto um dia venha a ocorrer? Soube que o Patriarca da Rússia não foi ao sepultamento, mas enviou representantes. Soube também que, durante anos e anos o papa fora impedido de ir à Rússia devido à oposição do clero ortodoxo de lá… Parece que temiam a influência de João Paulo II em face do mesmo ter determinado a implantação de dioceses católicas por lá. Os russos são muito desoconfiados, não?

No entanto, os outros patriarcas do oriente tinham uma relação bem mais amistosa com o Santo Padre… O de Constantinopla aparentemente ficou desolado com a morte do papa. O da Romênia e de Antioquia, também… Todos falaram dele com uma caridade que não tinha visto anteriormente por parte dos mesmos…

Despeço-me por aqui…

Por favor, se possível, responda o humilde e-mail deste causídico…

QUE A PAZ DE CRISTO
IMPERE EM VOSSO CORAÇÃO E EM VOSSA VIDA!
QUE MARIA SANTÍSSIMA O ILUMINE!

——————————–

 

Muito prezado Dr.
Salve Maria!

Muito lhe agradeço suas palavras de elogio e de confiança e seu amável convite de visitar Salvador.
Tenho pensado, sim, em ir a Salvador dar palestras para os amigos do site Montfort* dessa bela capital da sempre simpática Bahia. Agora sua amável carta vem acrescentar um motivo a mais de amizade e de generosidade de sua parte para me impelir a realizar meu plano antigo.
Todo final de vida é comovente como um um crepúsculo com seu mistério e gradeza. Mas, o final de vida de João Paulo II, resistindo à morte e permanecendo em seu posto até o fim, lutando contra o que ele chamou de “ideologia da morte” insuflada, segundo o Papa, pelo Parlamento Europeu foi comovente e admirável. Toda essa grandeza comove ainda mais pelas belíssimas cerimônias vaticanas no funeral do Papa, assistido por um extrordinário número de pessoas.
Rezemos pela alma de Karol Wojtyla.
E rezemos pela eleição de um Papa que recupere a Igreja da imensa crise em que ela está.
Quanto aos orientais, a situação é apresentada de modo ultra simplificado pela mídia.
Os cismáticos, não tendo o Papa para uni-los doutrinariamente, dividiram-se muito, havendo lá inúmeras seitas das quais pouco se fala.
Os patriarcas são divididos entre si. O patriarca russo não apóia o movimento ecumênico, porque o papa tem mais relação com o patriarca de Constantinopla que é tão ruim quanto o russo. E dai para fora. Essa gente não mudará e se odiarão sempre entre si enquanto não voltarem a aceitar a autoridade do papa sobre todos eles que os unirá na mesma fé. Sem o Papa não há unidade nem união.
Só a verdade produz a unidade. O ecumenismo é um movimento que visa a união sem a verdade e isso não é possível. Daí o fracasso do ecumenismo que logo mais vai acabar, se Deus quiser, voltando a triunfar o espírito missionário da Igreja que visa converter, e não a tirar fotos de bate papos diplomáticos, e a fazer encontros ecumênicos escandalosos, como os de Assis.
Esperando conhecê-lo pessoalmente em breve,

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

 

 

*O professor Orlando Fedeli foi presidente da Associação cultural Montfort de 1983 a 2010.

 

image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão