720- Defesa da carta de Marcelo Barros

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão

Orlando Fedeli

Defesa da carta de Marcelo Barros

 

  • Localização: Brasil

 

Estimado Senhor. paz e Bem!

É com a imensa satisfação que lhe escrevo, para lhe esclarecer algumas coisas que me deixou com muita vergolha na sua carta que você respondeu ao Monge Marcelo Barros.

Ao ler a sua carta, eu fiquei imprecionado com as sua palavras. não pensava que existia pessoas dentro que Igreja que,vivence a extremidade do fanatisamo do catolicismo. para mim é uma vergolha saber que existe pessoas que não tem a logica da santidade e da pessoa de Jesus. Quando Marcelo Barros, faz um comentario sobre a Eucaristia e comenta sobre a pessoa do papa, que fala da eucaristia, em que ela so tem valor na Igreja catolica. o Monge faz a sua analize e comenta que o Papa fala do ecumenismo entre as Igrejas e religiões e anuncia um documento, em que só na Igreja catolica a eucaristia tem valor. eu lhe pergunto, onde fica a Pessoa de jesus, diante deste contexto. você, ja leu a bíblia e viu que Jesus não fazia descrminação de povos e culturas, mais amou todos de uma tal maneira, que foi morto pelos proprios, mais mesmo assim ele amou todos. como é que uma pessoa vai falar de Cristo se descrimina o proprio Cristo na pessoa dos irmãos.

Eu vejo que isto é uma pouca vergolha para a Igreja catolica e seus fiéis, como vamos falar de paz de amor e de comunhão e ecumenismo, se as autoridades da Igreja é contra todos estes aspectos. eu vjo que é necessario revermos os nossos posicionamentos e nos questionarmos que a Igreja somos nós e não podemos depender de autoridades que nos manipulam com suas dotrinas, que as vezes não são de bons proveitos para um povo que tem a sua historia de religiosidade. o Monge marcelo Barros quando faz o questinamento sobre esta ENCICLICA DA EUCARISTIA,ele que dizer, onde fica a pessoa de jesus e a fé dos seus seguidores.É muito facil falar em religião, mais é muito mais dificil viver a religiosidade na pessoa de Jesus, que está presente no proximo. E o Monge Marcelo Barros vive esta realidade e faz questão que os doentes pela doutrina papal tenha visão da IGREJA VERDADEIRA, e que tenha visão de uma Igreja independente.

Eu sou catolico Apostolico Romano, desde a minha infância, eu estou na Igreja e minha vida é sempre dedicada para ela, mais não deixo me monopolizar pelas coisas absurdas que a ela é colocada, tenho uma visão de uma Igreja libertadora, que esteja sempre em missão e no meio do povo, pois é necessario que nós estejamos convictos que Jesus não veio para ficar no poder, mais para estar no meio do povo, seja qualquer tipo de povo, lingua, raça e cultura, então parre de viver no consumismo e busque viver o verdadeiro sentido do evangelho, se coloque no meio do povo e faça a experiencia de varios Marcelo Barros que estão no meio do povo.

Desejo a você uma boa refleção e me responde se possivel, pois quando você se tornar Igreja, a Igreja será você.

Eu faço minhas considerações do Papa, mais não tenho como santo, pois ele não tem toda esta autoridade, só o Senhor é Santo e ele nos faz santos quando nos tornamos santos com os mais necessitados.

UM FORTE ABRAÇO!

 

————————–

 

Muito confuso e nada católico, salve Maria!

Sua carta é uma prova da extrema confusão em que os chamados teólogos da Libertação lançam os católicos mais simples. Disse que você não é nada católico.

Como pode ser tido como católico quem afirma da Igreja o que você diz?

Do caos de sua carta retiro esta frase escandalosa e revoltada contra o Papa e contra a Fé:

“Eu vejo que isto é uma pouca vergolha para a Igreja católica e seus fiéis, como vamos falar de paz de amor e de comunhão e ecumenismo, se as autoridades da Igreja é contra todos estes aspectos. eu vjo que é necessario revermos os nossos posicionamentos e nos questionarmos que a Igreja somos nós e não podemos depender de autoridades que nos manipulam com suas dotrinas, que as vezes não são de bons proveitos para um povo que tem a sua historia de religiosidade” (O negrito é meu).

Então para você, digno discípulo do monge de candomblé, Marcelo Barros, as autoridades da Igreja seriam contra a “paz”? Você considera que você e Marcelo Barros é que são a Igreja, e que as autoridades da Igreja — inclusive o Papa — manipulam os fiéis com suas doutrinas?

Meu caro, você não é católico, porque católico é quem é batizado, crê em tudo o que ensina a Igreja, e obedece ao Papa como representante infalível de Cristo na Terra.

E tudo isso, infelizmente, você rejeita.

Que Deus o converta é o que lhe desejo sinceramente

in Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli.

image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão