1

847- Dispensa de Assistir a Missa Nova

Orlando Fedeli

Dispensa de Assistir a Missa Nova

 

  • Localização: Recife – PE

Caríssimo prof. Orlando Fedeli,
Salve Maria.

Meu estimado profesor, venho suplicar-lhe uma luz… Rogo a Maria Santíssima, desde já, que esta seja encaminhada pela Luz do mundo.

Estou eu, há algum tempo, estudando e comparando a Missa Tradicional codificada por São Pio V e a dita Missa nova de Paulo VI.

É sabido que na Missa nova, dentre tantos problemas relevantes, há equívocos que põem em dúvida dogmas como o Santo Sacrifício, presença real, sacerdócio hierárquico, etc. Usando uma linguagem dúbia (propriamente modernista) e confusa; como o senhor bem sabe.

Vejo bem, caríssimo professor, meu raciocínio:

“A fé é principio da salvação humana, o fundamento e raiz de toda a justificação”. Ensina o Concílio de Trento (Denzinger, n. 801).

Na Suma Teológica, São Tomás afirma que “a fé é a primeira das virtudes”. (Summa Theologiae, II-II, q. 4, a. 7) e que “a incredulidade é o maior de todos os pecados na ordem das virtudes morais” (S. Th., II-II, q. 10, a. 3).

Na Enciclopedia Cattolica Têm-se:

“todo zelo pela reforma cristã dos costumes é cego, vão, ruinoso se não aspira constantemente a salvaguardar ou reconstruir a fé, que goza por natureza de prioridade sobre todas as demais virtudes” (Enciclopedia Cattolica, verbete fede).

E mais pofessor:

“a perda da fé é muito amiúde o resultado mais ou menos direto de passos imprudentes e temerários. Por isso o direito [divino] natural veda ao crente que ponha em perigo sua fé. Pois bem, o maior perigo para a fé, e o mais imediato, se funda no contato com o erro oposto” (Enciclopedia Cattolica, verbete fede).

Pois então caro professor Orlando Fedeli, o que fazer diante da Missa nova? Onde há muitos ataques sacrílegos contra a fé do fiel e da Igreja.

E sabendo que “Todo motivo medianamente grave escusa da obrigação de ouvir Missa, como o que se daria no caso de que a assistência à Missa provocasse um dano corporal ou espiritual para nós ou para outros” (Compendio di Teologia morale, ed. Marietti, 1955, nº 200).

Tenho eu direito de rejeitá-la segundo minha consciência. Mas, o que fazer no Domingo, Dia do Senhor, já que a Santa Missa Tridentina não há (por enquanto) aqui em Recife?

Que situação…

Peço que corrija-me se falei mal. Porém, se não, o que fazer?

Deus lhe pague professor, pela atenção.

Um forte abraço.

Esperando revê-lo muito em breve, despeço-me

In Iesu et Mariae.

—————

Muito prezado,
Salve Maria.

Seu raciocínio é bem certo e exposto de modo bem claro. Meus parabéns! Você estuda e raciocina bem.
Peço-lhe até licença para citar seus raciocínios e documentos que ajudariam a muitas pessoas.
Haveria que dizer ainda que só está dispensado de assistir essa Missa protestantizante, aquele que conhece perfeitamente o perigo que ela traz para a Fé. Quem não tem plena consciência do perigo que ela traz para a Fé, não é obrigado, em consciência, a deixar de assisti-la, a menos que nela se pratiquem atos gravemente sacrílegos e na medida que a pessoa compreenda que aquilo é sacrilégio.
Escreva-me sempre. Uma abraço bem amigo.

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli