A Nosso Senhor coroado de espinhos

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão

Ir. Anna Maria Fedeli

A NOSSO SENHOR COROADO DE ESPINHOS

Meu Senhor e meu Deus, essa tristeza
E essa angústia imensa e tão serena
Com que fitais, sem medo e sem surpresa,
O ódio que vos julga e vos condena,
A infinita e santa majestade
Que está em vossos olhos refletida,
A incomensurável seriedade
Com que, por nós, Vós dais a vossa vida,
Vossas divinas mãos, assim atadas,
O manto que vos deram, derrisório,
As marcas das selvagens chicotadas
E quanto vos fizeram no Pretório.
Tudo isso, meu Senhor, e essa coroa,
Que vos humilha, mas que vos exalta,
Tudo isso, meu Senhor, que vos magoa,
Nos mostra agudamente o que nos falta.
Pois não sois Vós, Senhor, nosso modelo?
Não foi por nós, Senhor, que assim sofrestes?
Não temos nós na fronte o vosso selo?
E vos faremos nós tal como um destes
Que vos deu muito, sim, mas não deu tudo?
Que vos seguiu, mas não até a cruz?
Que, quando a plebe ruge fica mudo
E quando a noite vem não crê na luz?
Por vossa Mãe, Senhor, não permitais
Que nós durmamos em vossa agonia
E, junto à cruz, Senhor, fazei-nos tais
Que, estando sempre unidos a Maria,
Jamais nos vença a força ou o sarcasmo
Dos que odeiam vossa luz em nós,
Dos que, amando só um torpe marasmo,
Querem calar na nossa a vossa voz.
Fazei-nos tais, Senhor, que a confiança
Nunca se abata em nosso coração,
Sabendo que é a cruz que nos alcança,
Que nos promete e dá a Ressurreição.

 

image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão