A Simbologia do Xadrez

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Marcelo Andrade

A SIMBOLOGIA DO XADREZ

Num mundo afogado por tecnologias e por jogos eletrônicos de toda a sorte, tais como os videogames, os infames “joguinhos” de celular e de computador etc, um jogo antigo ainda se destaca, de forma surpreendente, é o xadrez.

Sua origem remota se encontra na Índia e na Pérsia, e sua forma definitiva foi estabelecida na Europa do século XV, na Itália e na Espanha.

Por causa de sua origem indiana e persa, o xadrez permitiria simbologia ruim e mística.

Em que pese esta possibilidade, ainda que atenuada na sua forma definitiva, o xadrez possui simbolismos interessantes e corretos que motivaram este trabalho.

Fig1. Jogo proporcional à beleza da sala e às roupas dos cardeais

Na Idade Média, religiosos e sacerdotes fizeram sermões utilizando o xadrez como metáfora para a religião e a moral.[1]

Santa Teresa de Ávila, padroeira do xadrez, cita o jogo em seu livro “Caminho da Perfeição”.

Podemos relacionar os seguintes valores simbólicos do xadrez:

– Desigualdade. As peças do xadrez são desiguais quer em movimentos quer em importância. A desigualdade é que permite a riqueza do jogo, desta forma o xadrez ensina que a desigualdade é um bem e não a igualdade.

– Monarquia. É um jogo monárquico, pois o rei é a peça mais poderosa e tudo gira em volta da defesa do próprio rei e ataque ao rei do adversário.

– Valor do sacrifício. O jogador sacrifica as peças visando melhor posicionamento e estratégia. Isto pode simbolizar os mártires ou os heróis nas guerras.

– Apoio. Normalmente não se pode dar xeque-mate sozinho, é preciso ao menos duas peças, os homens precisam ajudar-se uns aos outros.[2]

– Promoção-recompensa. Os peões só podem ser promovidos após chegarem ao final, como que premiados por mostrar o valor em combate. Na Idade Média, normalmente, só era feito cavaleiro quem mostrava bravura em combate.

– Estratégia e lealdade. O xadrez é jogo aberto, não há “cartas na manga” nem se pode esconder as jogadas como se faz em outros jogos.

– Prudência. É necessário estudo, a compreensão do passado, a inteligência do presente e a previsibilidade do futuro para se jogar bem.

– Independência da força e das habilidades físicas. É um jogo meramente mental. Se os contendores forem bem inteligentes podem até jogar sem tabuleiro.

– Sujeição do material ao espiritual. Possuir mais peças é inferior a ter posicionamento melhor.

– Desapego. No jogo há que se desapegar das peças para poder vencer.

Simbolismo das peças:

1) Rei: a peça principal, pois não pode ser perdida, seus movimentos são limitados. Ele transparece humildade, pois deixa as outras peças atuarem. Pode representar a Cristo, pois, podemos perder tudo nesta vida menos a Ele. E se tomarmos “xeque-mate” no começo, pode significar que não adianta ter todos os bens da terra e perdê-Lo. A autoridade do rei pode ser simbolizada pela razão de que ele não se move muito, seus súditos é que devem fazê-lo. Porém, quando é necessário, normalmente em fim de jogo, ele entra em ação.

2) Dama. Segunda peça mais importante do jogo, representando o valor da mulher.

3) Torre. Representa bem o lado material do xadrez, alusiva às torres móveis das batalhas medievais. Lembra que o homem é matéria também e ela é boa.

4) Bispo. O lado religioso do jogo não é esquecido, afinal não podemos viver sem a Igreja.

5) Cavalo. Melhor dizer cavaleiro ou cavalaria. Remete à beleza das ordens da cavalaria. Os cavalos sabem pular as peças, superam bem os obstáculos.

6) Pião. O combatente simples, mas que não sabe recuar e enfrenta até inimigos mais poderosos e que pode ser promovido se mostrar valentia.

O jogo como um todo pode ter algumas figuras interessantes, nele há várias dualidades presentes: vício e virtude, campo e cidade, corpo e alma etc.

Alguns simbolismos do xadrez, visto como um todo:

Xadrez e debate. O xadrez pode simbolizar um duelo intelectual, no qual os dois competidores fazem uma disputa. Cada peça tomada é um argumento vencido. O xeque mate é bem representativo de uma vitória final, no qual, todos os argumentos do opositor foram vencidos e foi apresentado um argumento decisivo e inescapável, que fulminou o pensamento do adversário.

Xadrez e vida espiritual. Com base em Santa Teresa D’Ávila, os movimentos das peças de xadrez são como exercícios espirituais e o “xeque-mate” é como um em Deus que não pode recusar os pedidos e os exercícios, “obrigando” a Deus a conceder o que se pede.

Xadrez e labirinto. O xadrez é um labirinto dinâmico no qual os becos sem saída são jogadas infelizes e as boas são os caminhos com saída. A vida é um labirinto.

Xadrez e o caminho para a virtude. No caminho para a virtude são necessários sacrifícios, haverá perdas e pequenas derrotas e o xeque-mate é a vitória final. As ciladas do jogo são como as do demônio que temos de superar

Xadrez e a história. A história é a luta entre a cidade dos homens e a cidade de Deus, representado pelas peças brancas e pretas.

Por fim, não há jogo, hoje em dia, mais elevado e simbólico que o xadrez. Como o simbolismo transcende a matéria, nos leva a um plano mais espiritual. Nosso mundo é muito materialista, daí a importância do simbolismo.

O xadrez é um jogo que deve ser incentivado, pois só trás benefícios. E os “jogos eletrônicos” evitados.

O xadrez não deixa de ser mais um legado do Catolicismo.

 

Marcelo Andrade, dezembro de 2015

[1] Quaedam moralitas de scaccario per Innocentium papum  e s Liber de Moribus Hominum et Officiis Nobilium Sive Super Ludo Scacchorum. Pó exemplo.

[2] Há exceções: É possível dar mate só com uma peça, por exemplo, o mate de gaveta (quando o rei está fechado com seus piões no roque; e a torre ou dama desce na oitava casa, ou o cavalo, quando o rei está cercado por peças e não há como tomar o cavalo.