Carta sobre a Santíssima Trindade

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

 

Carta de um leitor chamado Paulo Roberto, católico de Juiz de Fora – MG, sobre a Santíssima Trindade. Datada de 03/01/2005

 

Prezados senhores:
Fui criado dentro da religião católica, sempre frequentando as missas, acreditando nos dogmas da Igreja. Mas atualmente não a frequento, pois depois de várias reflexões, não consigo aceitar esses dogmas que simplesmente acho absurdos, sem a menor lógica. Como no momento em escrevo essa carta, não disponho muito de tempo, só para citar um exemplo, menciono o dogma da Santíssima Trindade, que é considerado pela Igreja como um dos mais importantes.

Não consigo entender nem aceitar, atualmente, esse ensinamento e não consigo entender também como possa existirem pessoas que aceitem essa crença. Eu pergunto: Como Deus pode ser ao mesmo tempo, um e ao mesmo tempo, ser três pessoas distintas, em que cada uma dessas pessoas não é a outra, e, no entanto, é um Deus somente? Ora, eu entendo “pessoas” como sendo sinônimo de “indivíduos”, de seres”; então pelo raciocínio lógico, teriam que ser três deuses e não apenas um como é ensinado. Para mim, é um dogma que não possui nenhuma consistência, nem lógica. Mesmo porque , que quando se ouve alguém, mesmo sendo um católico, se referindo a Deus, ninguém pensa que essa pessoa está se referindo ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo em conjunto , mas lembra somente do Pai, de modo que essa crença contradiz a unidade de Deus e confunde as pessoas mais simples e ignorantes.

Além do mais, Jesus, nunca afirmou nos evangelhos, ser Deus; alguns daqueles judeus de seu tempo é que talvez o tenham interpretado mal nesse sentido. Nem os seus apóstolos nunca o trataram como tal. Mas o viam como o Cristo, o ungido de Deus, o Messias, como um enviado de Deus; é verdade que Tomé o chamou de Deus, mas ai, das duas, uma: ou Tomé estava equivocado ou Tomé chamou-o de Deus em um sentido relativo e não absoluto, ou seja, como um deus, como alguém poderoso, pois naquela época, entre os gentios, que conviviam próximos dos judeus, era comum a crença em vários deuses e ver como deuses pessoas que se destacavam do vulgo, ou seja, pessoas fora do comum. E como o Espírito Santo, pode ser Deus, se o Novo Testamento se refere a Ele como alguém que é enviado por Jesus ou por Deus? Se Ele é enviado e falaria não dele próprio, mas conforme o que Ele ouvisse falar, como pode ser Deus? Se é enviado é porque ele é inferior a quem envia. Por essas e outras, é que essa doutrina não tem a menor consistência, como já havia dito.

Atenciosamente

 

* * *

 

Resposta

Muito prezado Paulo Roberto,
Salve Maria!

    A inteligência humana é limitada. As verdades que Deus revelou sobre si mesmo e que estão acima de nossa capacidade intelectiva se chamam mistérios. Dois são os principais mistérios de nossa fé, que Deus mesmo nos revelou:

1 – Unidade e Trindade de Deus.

2 – Encarnação, Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo.

    Você erra totalmente ao dizer que Jesus jamais se disse Deus pois Ele afirmou:

“Eu e o pai somos um”(Jo 10,30). “O Pai está em mim e eu no Pai” (Jo 10,38).

“Quem me vê, vê também o Pai. (…) Não credes que eu estou no Pai e o Pai está em mim?” (Jo 14,15-16)

“Para que saibais e reconheçais que o Pai está em mim e eu estou no Pai” (Jo 10, 38).

“Eu estou no Pai e o pai está em mim” (Jo 14,11).

“Antes que Abraão fosse feito, Eu sou” (Jo 8,58).

    E Jesus mandou batizar a todos em nome (singular) do Pai e do Filho, e do Espírito Santo”.

    Deus não pode mentir. Se Deus revelou que em Deus há o Pai, o Filho e o Espírito Santo, nisso devemos crer, embora não compreendamos o mistério da Trindade de Pessoas na unidade da substância.

    Se não compreendemos o mistério da Trindade, não é porque ele é contra mas, acima da razão.

    No fogo há luz e calor, e essas três coisas são inseparáveis na unidade do fogo. Não é possível separar o fogo da luz e do calor. A luz permite que vejamos as coisas, e por isso a luz é símbolo da verdade que permite que conheçamos as coisas abstratamente pela verdade. Daí que digamos ao compreender algo: “agora está claro”; Porque a verdade esclarece. A verdade é luz intelectual. E o calor do fogo é símbolo do amor, enquanto a frieza é símbolo da falta de amizade.

    Assim como no fogo há fogo, luz e calor, assim em Deus há o Pai, o Filho que é a luz de Deus, a Verdade, e o Espírito Santo, que é o Amor de Deus.

    Lúcifer conheceu a luz de Deus, mas não a amou. Ele separou a luz da Verdade e do Amor (calor). Por isso, Lúcifer é punido eternamente no inferno com o calor do fogo, mas sem a luz, já que ele separou o calor da luz.

    Numa comparação grosseira, podemos dizer que também num triângulo equilátero cada um dos três ângulos abrange o triângulo todo, e eles não são três triângulos, mas um só triângulo, com três ângulos. E quando você diz: “Isto é um copo” você afirma que ele é um, que é copo, e que tem uma finalidade boa. O Um como símbolo do Pai. É Copo como símbolo do Filho, forma da Trindade. E que tem um fim bom, símbolo da Bondade de Deus, o Espírito Santo, Amor de Deus.

    Até Platão, que era um pagão, percebeu que “o três é um, e o um é três”, como ele afirma no diálogo República.

    Nesse diálogo espetacular, Platão, descrevendo o homem justo diz que o homem justo tem três virtudes fundamentais: a Temperança, a Fortaleza e a Prudência. E quando os discípulos lhe perguntam, onde estaria a Justiça, eles lhes responde: não compreendeis que o homem que tem Temperança, Fortaleza e Prudência esse tem necessariamente a Justiça ? Porque essas três virtudes formam a Justiça, e o três é um e o um é três”.

     Meu caro, Paulo Roberto não pretenda entender tudo, porque há muita coisa que nenhum homem entende, mas que Deus conhece. E se Ele nos revela uma verdade que está acima de nosso entendimento, devemos aceitá-la com humildade e não colocar orgulhosamente nossa inteligência acima de tudo, porque nossa inteligência é bem pequena, e Deus é infinitamente sábio e verdadeiro.

    Sobre o mistério da Santíssima Trindade, peço-lhe que você leia o trabalho Processões em Deus. Esse trabalho lhe permitirá compreender que Unidade e Trindade de Deus não são contra a razão, embora permaneçam um mistério para nós.

    E reze muito pedindo a Deus, por meio da Virgem Maria, a graça da Fé assim como a virtude da humildade.

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli