Nacionalismo e Patriotismo

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Data: 16-Fev-2018
De: Rene B.
Cidade: –
Assunto: Nacionalismo e Patriotismo

***

Qual a posiçao da igreja sobre o nacionalismo e o patriotismo, qual dos 2 sao bom e qual é ruim

***

Resposta

Muito prezado Rene, salve Maria!

Sua pergunta é bastante oportuna, visto que presenciamos atualmente a ascensão da direita nacionalista.

Começo explicando o dever que temos para com a pátria, ou seja, patriotismo.

O patriotismo é um dever que decorre do Quarto Mandamento. Assim como temos que honrar nossos pais, temos que honrar nossa pátria.

E somos patriotas quando damos à pátria aquilo que a ela devemos: a honra, os serviços, a dedicação e a defesa.

Cumprir os deveres de estado, praticar e defender a lei de Deus na sociedade, propagar a doutrina social da Igreja, são as melhores maneiras de exercer o correto patriotismo.

O patriotismo não tem, portanto, qualquer relação com torcer para o país na Copa do Mundo…

Recomendo-lhe o seguinte sermão do Padre Daniel Pinheiro, do IBP, onde ele trata do verdadeiro amor à pátria.

https://missatridentinaembrasilia.org/2018/04/24/sermao-a-piedade-para-com-a-patria/

Bem diferente do patriotismo é o nacionalismo, fruto do liberalismo romântico, que imagina uma nação perfeita e em tudo superior às demais. É um erro que produz o desprezo das demais nações.

O nacionalismo coloca os laços pátrios acima dos laços de fé. Para um nacionalista os interesses de seu país estão acima dos interesses de Deus e da Igreja. Por conseguinte, aliar-se a inimigos da Igreja seria permitido desde que trouxesse vantagens ao país.

Vemos elementos desse erro já no século XVII. Durante a Guerra do Trinta Anos a França católica aliou-se à protestante Suécia para combater o Sacro Império. Os interesses do país foram colocados acima dos interesses de Deus e da Igreja.

O nacionalismo propriamente dito é filho da Revolução Francesa e pai de todas as guerras modernas.

Ele é portanto liberal e aplica à nação os mesmos erros aplicados pelo liberalismo ao indivíduo. Consequentemente, para o nacionalismo cada nação é livre para criar leis, ainda que injustas, que lhe tragam vantagens e façam prevalecer seus interesses. A moral não é considerada. Cada nação, assim como cada indivíduo, decide o que é certo ou errado para si.

A confusão entre patriotismo e nacionalismo leva muitos católicos a acreditarem que amar a pátria significa fechar os olhos para seus defeitos ou atribuir-lhe qualidades que não tem.

É um erro que graça muito particularmente entre os católicos denominados conservadores.

Charles Maurras, nacionalista francês de péssimas ideias, fez e ainda faz muito sucesso entre os católicos. E entre os católicos ditos tradicionalistas…

Veja você, caro Rene, que o patriotismo passa bem longe do nacionalismo.

Espero ter esclarecido sua dúvida.

Escreva-nos sempre que desejar. E lembre-se de rezar por este apostolado.

Salve Maria!