Sobre os Jesuítas

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Data: 19-Abr-2019
De: Simão Oliveira.
Cidade:
Assunto: Sobre “o nível de instrução” dos jesuítas.

***

Gostaria de saber qual foi a formação dos Jesuítas, o que eles estudaram no Colégio Romano, pois vi nas aulas que,  eles foram responsáveis pela conversação do selvagens que viviam aqui nas Américas,  e ensinaram muita coisa a eles, além da Religião Verdadeira, também ensinaram artes, músicas, arquitetura etc…


Saimon Oliveira

 

***

Resposta

Prezado Simão, salve Maria!

Os jesuítas foram a ponta-de-lança da Igreja. Atualmente estão infelizmente em grande decadência.

Envio-lhe abaixo uma carta sobre os jesuítas que escrevei como resposta há algum tempo.

=======

Prezado,

Sua pergunta versa sobre um tema tão vasto que seria quase necessário um tratado para respondê-la de forma completa.

A questão do ódio aos jesuítas é bastante curiosa. Para compreendê-la, faz-se necessário conhecer a razão pela qual eles tiveram tanto prestígio e geraram tanto ódio.

Ambos, prestígio e ódio, advinham da elevada ciência e, sobretudo, da grande virtude que tinham aqueles primeiros jesuítas.

Como tudo o que é bom, desde o vestir-se corretamente até o defender as mais elevadas verdades de fé, atrai o ódio do mundo, com os jesuítas não poderia ter sido diferente. Tudo que é bom produz ódio e ataque do mundo. Foi assim com Cristo, é assim com cada cristão, foi assim com os jesuítas. “Se o mundo vos odeia, sabei que me odiou a mim antes que a vós. Se fôsseis do mundo, o mundo vos amaria como sendo seus. Como, porém, não sois do mundo, mas do mundo vos escolhi, por isso o mundo vos odeia” (Jo 15,18-19).

Enquanto foram fiéis aos ensinamentos de Santo Inácio, os jesuítas foram dignos do ódio do mundo.

Parece, contudo, que o prestígio dos filhos de Santo Inácio foi tal que, mesmo com a decadência dos últimos tempos – e que teve seu triunfo no Concílio Vaticano II que contou com importante participação do padre jesuíta Karl Rahner –, a Companhia de Jesus mantém ainda contra si boa parte do antigo ódio. Mesmo tendo sido alguns de seus padres grandes defensores das novidades.

De onde veio, pois, tanto ódio?

A Companhia de Jesus é uma das ordens de maior prestígio na Igreja.

E não era para menos.

Ela foi criada por Santo Inácio de Loyola em 1534[1], época em que o Humanismo, misturando magia e ciência, visava expulsar Deus da sociedade e colocar o homem em seu lugar. O Renascimento foi a época em que o brilho da Idade Média começava a se apagar e a penumbra, que hoje triunfa em nossa sociedade, ganhava terreno.

Época na qual também parte do clero, infelizmente, dava muitas vezes escândalo com seus maus costumes.

Era também a época em que a revolta protestante arrastava para o erro boa parte da Europa.

Logo os jesuítas se tornariam um dos mais importantes defensores da verdade ao combater os diversos erros daquelas religiões que Lutero, Calvino, Zwinglio e outros acabavam de inventar.

Os filhos de Santo Inácio formaram um verdadeiro exército de elite no apoio à Fé e à Igreja, particularmente ao papado.

A expansão dos jesuítas foi rápida. Além dos trabalhos na Alemanha, Itália e outras regiões da Europa, a Companhia se singularizou pelas missões entre os infiéis. Além da ida de São Francisco Xavier para as Índias em 1541, em 1547 partiram quatro missionários para o Congo. Em 1549 partiram para o Brasil seis missionários chefiados pelo Padre Manuel da Nóbrega. A estes se juntou em 1553 o grande apóstolo São José de Anchieta. Em 1555 a Companhia envia missionários para a Etiópia. Por toda parte fundavam escolas para a educação dos nativos.

Pelos locais onde passaram sua marca mais clara era a leal obediência ao Soberano Pontífice, fruto do quarto voto ao qual se obrigavam: o de que todo e qualquer trabalho que realizassem seria sob a obediência papal.

O padre Malachi Martin fez um empolgante elogio à Ordem da qual fez parte em seu livro “Os Jesuítas”.  Ali ele afirma que “os jesuítas levaram a batalha aos próprios territórios daqueles inimigos papais. Faziam debates públicos com reis, debatiam em universidades protestantes, pregavam em encruzilhadas e em mercados. Dirigiam-se a conselhos municipais e instruíam os concílios da Igreja. Infiltravam-se em territórios hostis, disfarçados, e se deslocavam às escondidas”.

Através do incansável trabalho de São Pedro Canísio, o “Martelo dos Hereges”, fizeram retornar à Igreja regiões inteiras da Alemanha.

Durante mais de duzentos anos praticamente toda educação na Europa esteve nas mãos dos jesuítas.

Dominavam e eram mestres em matemática, física, astronomia, arqueologia, linguística, biologia, química, zoologia, genética… A lista de invenções por eles feita é imensa e permeia os mais variados campos: engenharia mecânica, energia hidráulica, aviação, oceanografia, aparelhos de surdez etc.

Acima de tudo, porém, estava o amor à verdade e a filial devoção ao Papa.

Para além do campo das ciências, os jesuítas tiveram também destaque nas artes. “Em 1773, contavam com 350 teatros na Europa”. O primeiro teatro em território norte-americano foi fundado pelos jesuítas, em 1640, no Quebec. Os índios recém-convertidos das Américas compunham obras de elevado valor musical, além de executarem com maestria obras de renomados compositores.

Os padres da Companhia de Jesus levaram a porcelana para a França, o guarda-chuvas e a baunilha para a Europa e foram os primeiros a trazer para o continente europeu os conhecimentos da cultura indiana e chinesa.

Línguas, como o Tupi Guarani, foram estudas e preservadas graças ao trabalho dos padres da Companhia de Jesus.

A importante obra “História do Japão”, mais antigo registro histórico do país do sol nascente, foi escrita pelo padre Luís Fróis, jesuíta português do século XVI.

Todos os grandes estadistas aconselhavam-se com os jesuítas que, seguindo o ensinamento de Santo Inácio, tudo faziam “para a maior glória de Deus”.

Foram também ferrenhos combatentes da heresia jansenista e grandes propagadores da devoção ao Sagrado Coração de Jesus.

Eram inimigos dos galicanos.

Mais que tudo, eram fiéis até a morte ao soberano pontífice. Foram os jesuítas importantes apoiadores do dogma da Infalibilidade Papal no Concílio Vaticano I, em 1870.

Eram, por isso tudo, muito odiados.

E porque eram odiados foram expulsos e banidos de diversos países: Portugal – do Brasil também –, França, Alemanha, Áustria, Inglaterra, Bélgica, México, Suécia e Suíça.

Sua fidelidade à Igreja, ao papado, seu amor à verdade e desejo de fazer do mundo todo membros da Igreja Católica, filhos de Deus e herdeiros do paraíso são os motivos da fama que têm os jesuítas até hoje e também do ódio que ainda em nossos dias lhes é tributado.

O que restou de tudo isso? Muito pouco para não dizer quase nada. Restou, ao menos em parte, o ódio que se tinha aos jesuítas.

Que Santo Inácio interceda por seus filhos. Para que eles voltem a ser dignos de ser odiados.

 

Salve Maria!

 

=======

 

Salve Maria!

André Melo

 

[1] A aprovação da Companhia de Jesus foi dada pelo Papa Paulo III através da Bula Regimini militantis Ecclesiaes de 27 de setembro de 1540.