262- Confusa Defesa do Rock e do Subjetivismo

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão

Orlando Fedeli

Confusa Defesa do Rock e do Subjetivismo 

 

  • Localização: São Paulo – SP – Brasil
  • Religião: Católica

 

Aos que lerem esta carta, minhas gratificações.

Antes de tudo, gostaria de explicar meu ponto de vista sobre o que é a arte. A arte para mim é a expressão máxima do ser humano. É a maneira que encontramos de mostrar ao mundo (e até de explicar para nós mesmos) aquilo que sentimos (exteriormente e internamente) e pensamos. Chamo a isso não apenas de arte, mas a alma da arte. A arte em si, para minha pessoa, é a união dessa alma com sua forma.

A arte está sempre em revolução, (não evolução, se assim fosse haveria sempre uma arte inferior à outra) Ela contesta aquilo que considera ultrapassado ao seu tempo e funda uma nova arte, inovando na forma e trazendo de volta aquilo que chamei de alma da arte.

Agora falando precisamente do Rock. Ela surge como a musica de uma nova era. De uma nova sociedade. Nasce de um modo ingênuo, nos anos 50 para se tornar a alma dos grandes movimentos revolucionários sim, como o movimento hippie. O Rock vem para abalar todas as estruturas do que foi proposto outrora. Bach, Bethoven, Mozart e etc…foram gênios, mas tiveram seu tempo. Estão no passado. A humanidade se renova, a arte se renova.

Jogar a ideologia religiosa nas musicas é que é o grande perigo. Marx dizia que a religião é o Ópio do Povo. Eu não sou marxista, mas existem casos em que a religião funciona assim, como em muitos segmentos de religiões fundamentalistas. Há qual não escapa nem a católica.

Usar de métodos puramente dogmáticos não passa de fundamentalismo. Quem é o dono da verdade? Vocês? Eu? Deus? O Demônio? Quem pode garantir isso?

Quem pode me provar a existência de Deus e do Diabo? Do Céu e do Inferno? São crenças, não passam de crenças que podem estar muito além da nossa capacidade ou não. Não me tenham como ateu, acredito em Deus e em Cristo. Mas não nesse Cristo e nesse Deus que taxa de acordo com sua vontade aquilo que é profano e o que é sagrado, se é que taxa.

Acredito em Cristo, em Deus e no Homem. Alegar que a razão de uma banda vender milhões de discos, lotar shows e ter uma legião de fãs é obra de Satanás, é jogar a capacidade humana no lixo.

Que todos sejam livres para ouvir Rock e Musica clássica. Adorar a Deus e o Diabo.

 

 

———-

 

 

Prezado , salve Maria.

Que confusão em sua carta! E que confusão ela revela existir em sua cabeça !

Pois assim como sua carta revela a confusão que reina em sua alma, assim a arte revela o que vai na alma do artista.

Arte é a reta razão no fazer. O objetivo da arte é alcançar e manifestar a beleza.

Beleza, conforme a definiu Santo Alberto Magno, é “o resplendor da forma na proporção da matéria”. Ou, conforme São Tomás de Aquino, “belo é o bem claramente conhecido”.

Assim como as ciências, a Arte tem leis que devem ser obedecidas.

A Arte é sempre uma Filosofia posta em símbolos. Todas as leis da Arte são objetivas. Assim, também a beleza é algo objetivo, que não depende da opinião do sujeito.

Para explicar-lhe bem tudo isso, deveria dar-lhe um curso de Estética, que não cabe numa resposta a uma simples carta, para responder a uma mensagem confusíssima.

Prova dessa confusão de seu pensamento está na frase sua: “A arte em si, para minha pessoa, é a união dessa alma com sua forma”. Que quer dizer isso?

Não tente explicar, porque isso não tem sentido.

Depois de perambular pela arte e pela música — para defender o rock — você acaba aportando, como nau que perdeu o rumo, no oceano da Teologia dando trombadas em todos os arrecifes que nele existem.

Veja o que você confusa e contraditoriamente escreveu, enfileirando absurdos, uns atrás dos outros:

Não me tenham como ateu, acredito em Deus e em Cristo”
“Acredito em Cristo, em Deus e no Homem”
“Que todos sejam livres para ouvir Rock e Musica clássica. Adorar a Deus e o Diabo”.

E depois dessa bagunça de pensamentos desencontrados e caóticos, você me manda um supremo argumento: O rock seria excelente porque vende milhões de discos, hoje:

“Alegar que a razão de uma banda vender milhões de discos, lotar shows e ter uma legião de fãs é obra de Satanás, é jogar a capacidade humana no lixo”. Pois lendo a sua carta quase concordo com você, quanto a situação da capacidade humana.

Queria lembrar-lhe porém que Deus nos ensinou, na Sagrada Escritura, que “Stultorum numerus infinitus est” (O número dos estultos é infinito). O que explica — em parte pelo menos – o êxito de vendas dos discos de rock.

Que Deus, neste Natal lhe conceda ter mais ordem no seu pensamento.

In Corde Jesu semper,
Orlando Fedeli.

image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão