640- Virgem Maria, Mãe de Deus (6 de 6)

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão

Orlando Fedeli

Virgem Maria, Mãe de Deus

 

  • Localização: Belo Horizonte – MG

 

A questão das imagens 

Numa insolente e petulante carta de um protestante inspirada apenas no ódio à Igreja Católica, não poderia faltar a questão das imagens. Não importa que a acusação protestante tenha sido refutada mil vezes, inclusive com citações bíblicas. Como o protestante lê mas não entende, porque está morto pela letra, ele jamais entende, ainda que se lhe dêem muitas palavras. 

Às tolices comuns você acrescentou uma de sua invenção. 

Você me diz:
a igreja primitiva não admitia ídolos ou ícones (figuras) e também não cultuava ninguém além do Senhor Jesus.” 

É evidente que na Igreja primitiva não se admitiam ídolos, mas o que você quis dizer é que na Igreja primitiva não se cultuavam nem os santos nem se faziam imagens, porque você imagina que os cristãos dos tempos dos mártires tinham a mesma mentalidade tacanha dos protestantes de qualquer Lagoinha. 

Para refutar essa tolice basta enviar-lhe as imagens existentes nas catacumbas onde a Igreja primitiva se reunia.

Veja as fotos das catacumbas:

Nossa Senhora e o Menino

Batismo

Cinco Santos

Corredor da Catacumba

Corredor da Catacumba – 2

Cristo Bom Pastor

Cubículo dos Sacramentos

Eucaristia

Bom Pastor

Capela Cinco Santos

Cristo com os Apóstolos

Fração do Pão

O Orante

São Sisto

Âncora

Monograma de Cristo

Veja nelas a prova que a Igreja Primitiva não tinha, de fato, ídolos, mas cultuava imagens de Cristo, da Virgem e dos santos mártires. 

E agora, Saul?
Como fica seu argumento furado de que na Igreja primitiva não se cultuavam os santos, nem se faziam imagens?
Mas será que a evidência vai convencê-lo?
Duvido. 

Você negará essas fotos das imagens da Igreja Primitiva nas catacumbas de Roma, porque você negaria até Cristo em pessoa, se Ele lhe aparecesse dizendo o contrário do que pensa o “consenso da lagoinha”. Você só crê em você. Você é seu próprio ídolo. Aliás, tenho certeza de que você guarda as fotos suas e de seus filhos e amigos. Mas não os cultua, não é ? Você só se cultua no templo escondido de seu coração. 

Você mesmo, teimoso Saul, certamente já leu (porque já lhe escrevi sobre isso) - e ficou tomado de fúria, como o seu homônimo bíblico – as refutações dessa tolice protestante no site da Montfort*. Releia o que já escrevi sobre as imagens e o que diz a Bíblia sobre elas. 

Quanto a Maria santíssima ser a medianeira de todas as graças, isso também decorre da Escritura e da Tradição.
Evidentemente, Cristo é o único mediador absolutamente necessário de nossa redenção, porque só Ele, sendo Deus e Homem, poderia ter méritos infinitos para pagar a dívida infinita do pecado de Adão.
Entretanto, Ele quis vir nos redimir por meio de Nossa Senhora. Ele poderia ter vindo ao mundo de qualquer outro modo, poderia ter escolhido qualquer outro meio. Escolheu a Virgem Maria.
Por isso você tem razão ao escrever:
Maria foi um instrumento para que Jesus fosse gerado em seu ventre.”
Foi então por meio da Virgem Maria que nos vieram todas as graças. E quem é meio, é mediador.
Maria é mediadora secundária, por mediação hipotética, isso é, mediadora por que Deus quis – foi sua vontade – vir a nós por meio de Maria. 

Por isso ela é – por vontade de Deus – a mediadora de todas as graças. Assim, se lê em São Lucas:
Aconteceu que, apenas Isabel ouviu a saudação de Maria, o menino saltou em seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo” (Luc. I, 41).
Repare que com o senhor, Saul acontece o contrário: basta ouvir a “saudação de Maria”, você não fica cheio do Espírito Santo, mas sim, cheio de furor contra a Virgem Maria. 

Qual será então o espírito que enfurece Saul?
Medite bem nisso, mas não é difícil descobrir. 

E prossegue o Evangelho de São Lucas, dizendo:
Exclamou ela [Isabel] em alta voz e disse: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre. De onde me vem a dita que a Mãe do meu Senhor venha ter comigo? Porque, logo que a voz de tua saudação chegou aos meus ouvidos, o menino saltou de alegria no meu ventre.  Bem aventurada a que acreditou, porque hão de cumprir-se as coisas que da parte do Senhor te foram ditas”(Luc. I , 42-45). 

E o senhor me vem com a idéia “genial” de que, se Maria é dita “bendita entre todas as mulheres”, ela não está acima das mulheres.
Ó “genial” Saul, de onde lhe vem tanta “genialidade”? 

É claro que pela natureza, Maria, mesmo sendo Mãe de Deus, continuava sendo uma simples mulher. Mas pela graça de ter sido escolhida como o meio querido por Deus para a vinda de Cristo, ela ficou acima não só de todas as mulheres e de todos os homens – inclusive acima do “genial” Saul da Lagoinha – mas até acima dos anjos, pois está na Bíblia que o anjo saudou a Maria e não ao contrário. Até a anunciação do Anjo a Maria, sempre que na Escritura Sagrada se fala que um anjo aparece a uma pessoa humana, é essa que saúda o anjo. Com Maria se dá o oposto: é o anjo que saúda aquela que Deus escolheu para ser sua Mãe. 

Portanto, a Virgem Maria é superior aos anjos em graça e em glória. 

Estrebuche agora de furor, ó Saul, com essa glorificação da Virgem Maria, Mãe de Deus. 

Sendo, pois, Maria a mais santa criatura de Deus, e tendo sido escolhida por vontade de Deus, como o meio santíssimo para Ele vir a se encarnar e estar entre nós, é natural que ela seja a mediadora de nossos pedidos. 

O senhor lembra que Cristo disse que deveríamos pedir tudo ao Pai por meio dele. E isso é certíssimo. Porque, sendo Cristo nosso único Redentor, todas as graças nos são concedidas pelos méritos infinitos de Cristo. 

Entretanto, se lê na Escritura que Deus admite que um homem reze pelos outros. Em várias passagens São Paulo pede que os fiéis de um lugar rezem pelos de outros locais. 

Ora, se um homem pode rezar por outro, se Deus atende os pedidos de um homem pelo outro, por que não se poderia pedir à Virgem Mãe de Deus, a criatura mais amada por Cristo, que peça por nós ao único mediador absoluto, que nos conceda suas graças? 

Em Caná, foi a pedido de Maria que Cristo transformou a água em vinho.
O primeiro milagre na ordem sobrenatural – a santificação de São João, no seio de Isabel – veio por meio da voz de Maria Santíssima. O primeiro milagre de Cristo, na ordem natural – o vinho das bodas de Caná – foi a pedido de Maria. 

E não venha me dizer que Deus não admite intercessores secundários, porque na Bíblia se lê que Deus mandou os amigos de Jó recorrerem à sua intercessão: 
Tomai, pois, sete touros e sete carneiros, ide a meu servo Jó e oferecei um holocausto por vós; e o meu servo Jó orará por vós; admitirei propício a sua intercessão” (Jó, XLII, 8). 

Recorra a Maria, insolente Saul, e ela lhe alcançará o perdão de tantas ofensas que fez à Mãe de Cristo. Ou presume o senhor que entrará no céu, tendo ódio à Mãe de Deus? 

Que filho receberia em sua casa aquele que ofendeu sua mãe? E Cristo seria um filho tão pouco amante da honra de sua Mãe santíssima que o admitiria no céu, apesar de tantas negações da honra de Maria? Aquela que o anjo saudou por ordem de Deus, poderia ser ofendida por um Saul da Lagoinha sem que Deus se incomodasse? Pensa o senhor que Deus tolera a desonra de sua própria Mãe? O senhor imagina possível esse absurdo e essa blasfêmia? 

O senhor me pergunta através de que engano me acredito salvo.
Pois esse é outro engano seu.
Eu não sou protestante para me acreditar salvo. 

Nenhum católico se acredita salvo; por isso é que dizemos, na Ave Maria, que somos pecadores, e pedimos à Mãe de Deus que rogue pela nossa salvação. E todas as orações da Igreja se concluem sempre pela fórmula “Pelo mesmo Jesus Cristo Senhor nosso, que vive e reina na unidade do Espírito Santo, Deus, por todos os séculos dos séculos. Amém”, mostrando que todas as orações somente podem ser atendidas por causa dos méritos infinitos de Cristo. 

O senhor diz que sou um cavaleiro “errante”, dando ao adjetivo errante o sentido de ser capaz de erro. Nisso o senhor está certíssimo. Por isso não tenho seguidores meus, já que está escrito: “Maldito o homem que confia no homem” (Jer. XVII, 5). 

Diz ainda Saul:
A doutrina católico romana, defendida com unhas, dentes e coração por pessoas como o Professor Orlando, não é professor?, apresenta Maria como a porta do céu, pois de acordo com o seu pensamento, ninguém pode entrar no Reino de Deus sem passar por ela.” 

O senhor não imagina que honra me concedeu com essas palavras. Tomara Deus que sempre eu seja como o senhor diz. Porque não poderia eu ter maior honra do que defender com unhas, dentes e coração – o senhor esqueceu de colocar com argumentos - que Maria Santíssima é a porta do Céu, Janua Coeli. 

A Virgem Mãe de Deus é sim a PORTA DO CÉU. 

É Porta do Céu, porque foi por essa porta – como explicou Santo Ambrósio na citação que lhe dei acima – foi por essa porta que Deus desceu até nós. Portanto, para ir até Deus é preciso passar por essa mesma porta. Por Maria, Cristo veio ao mundo. Só por Maria se vai do mundo até Cristo, no Céu. 

E, para concluir, e demonstrar-lhe que sempre na Igreja se honrou a Mãe de nosso único Deus Jesus Cristo, cito-lhe o discurso de São Cirilo de Alexandria no Concílio de Éfeso para combater o herege Nestório, o negador da dignidade de Maria. 

“Salve, ó Maria, Mãe de Deus, virgem e mãe, estrela e vaso de eleição! Salve, Maria, virgem, mãe e serva: virgem, na verdade, por virtude daquele que nasceu de ti; mãe, por virtude que cobriste com panos e nutriste em teu seio; serva, por aquele tomou de servo a forma! Como Rei, quis entrar em tua cidade, em teu seio, e saiu quando lhe aprouve, cerrando para sempre sua porta, porque concebesse sem concurso de varão, e foi divino teu parto.”
“Salve Maria, templo santo, como o chama o profeta Daví, quando diz: “O teu templo é santo e admirável em sua justiça” (SlLXIV, 6)
“Salve Maria, criatura mais preciosa da criação; salve, Maria, puríssima pomba; salve, Maria, lâmpada inextinguível; salve, porque de ti nasceu o sol de justiça”.
“Salve, Maria, morada da infinitude, que encerraste em teu seio o Deus infinito, o Verbo unigênito, produzindo sem arado e sem semente a espiga incorruptível!”
Salve, Maria, mãe de Deus, aclamada pelos profetas, bendita pelos pastores, quando, com os anjos, cantaram o sublime hino de Belém: “Glória a Deus nas alturas, e paz na terra aos homens de boa vontade” (Lc. II, 14).
Salve, Maria, Mãe de Deus, alegria dos anjos, júbilo dos arcanjos que te glorificam no céu!”
Salve, Maria, Mãe de Deus: por ti adoraram a Cristo os Magos guiados pela estrela do Oriente; salve, Maria, Mãe de Deus, honra dos apóstolos!”
Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem João Batista, ainda que no seio de sua mãe, exultou de alegria, adorando como luzeiro a perene luz!
“Salve, Maria, Mãe de Deus, que trouxesse ao mundo graça inefável, da qual diz São Paulo: “apareceu a todos os homens a graça de Deus salvador” (Tt. II, 1).
“Salve, Maria, Mãe de Deus, que fizesse brilhar no mundo aquele que é luz verdadeira, a nosso Senhor Jesus Cristo, que diz em seu Evangelho: “Eu sou a luz do mundo” (Jo. VIII, 12).
“Deus te salve, Mãe de Deus, que alumiaste aos que estavam nas trevas e sombras de morte; porque o povo que jazia nas trevas viu uma grande luz (Is. IX,2), uma luz não outra senão Jesus Cristo, nosso Senhor, luz verdadeira que ilumina todo homem que vem a esse mundo (Jo. I, 9).
“Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem se apregoa no evangelho: “bendito que vem em nome do Senhor” (Mt. XXI, 9), por quem se encheram de igrejas nossas cidades, campos e vilas ortodoxas!”
Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem veio ao mundo o vencedor da morte e o destruidor do inferno!”
Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem veio ao mundo o autor da criação e o restaurador das criaturas, o Rei dos Céus!”
Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem floresceu e refulgiu o brilho da ressurreição!”
Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem luziu o sublime batismo da santidade no Jordão!”
Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem o Jordão e o batista foram santificados e o demônio foi destronado!”
Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem é salvo todo espírito fiel! 

(São Cirilo de Alexandria, PG. LXXVII, 1029 -1040, apud C. Folch Gomes, Antologia dos Santos Padres, ed. Paulinas, São Paulo, 1973, pp.389-390). 

Que Deus e a Santíssima Virgem tenham piedade do senhor, pobre herege e blasfemador. 

Orlando Fedeli 

*O professor Orlando Fedeli foi presidente da Associação cultural Montfort de 1983 a 2010.

image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão