847- Dispensa de Assistir a Missa Nova

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão

Orlando Fedeli

Dispensa de Assistir a Missa Nova

 

  • Localização: Recife – PE

Caríssimo prof. Orlando Fedeli,
Salve Maria.

Meu estimado profesor, venho suplicar-lhe uma luz… Rogo a Maria Santíssima, desde já, que esta seja encaminhada pela Luz do mundo.

Estou eu, há algum tempo, estudando e comparando a Missa Tradicional codificada por São Pio V e a dita Missa nova de Paulo VI.

É sabido que na Missa nova, dentre tantos problemas relevantes, há equívocos que põem em dúvida dogmas como o Santo Sacrifício, presença real, sacerdócio hierárquico, etc. Usando uma linguagem dúbia (propriamente modernista) e confusa; como o senhor bem sabe.

Vejo bem, caríssimo professor, meu raciocínio:

“A fé é principio da salvação humana, o fundamento e raiz de toda a justificação”. Ensina o Concílio de Trento (Denzinger, n. 801).

Na Suma Teológica, São Tomás afirma que “a fé é a primeira das virtudes”. (Summa Theologiae, II-II, q. 4, a. 7) e que “a incredulidade é o maior de todos os pecados na ordem das virtudes morais” (S. Th., II-II, q. 10, a. 3).

Na Enciclopedia Cattolica Têm-se:

“todo zelo pela reforma cristã dos costumes é cego, vão, ruinoso se não aspira constantemente a salvaguardar ou reconstruir a fé, que goza por natureza de prioridade sobre todas as demais virtudes” (Enciclopedia Cattolica, verbete fede).

E mais pofessor:

“a perda da fé é muito amiúde o resultado mais ou menos direto de passos imprudentes e temerários. Por isso o direito [divino] natural veda ao crente que ponha em perigo sua fé. Pois bem, o maior perigo para a fé, e o mais imediato, se funda no contato com o erro oposto” (Enciclopedia Cattolica, verbete fede).

Pois então caro professor Orlando Fedeli, o que fazer diante da Missa nova? Onde há muitos ataques sacrílegos contra a fé do fiel e da Igreja.

E sabendo que “Todo motivo medianamente grave escusa da obrigação de ouvir Missa, como o que se daria no caso de que a assistência à Missa provocasse um dano corporal ou espiritual para nós ou para outros” (Compendio di Teologia morale, ed. Marietti, 1955, nº 200).

Tenho eu direito de rejeitá-la segundo minha consciência. Mas, o que fazer no Domingo, Dia do Senhor, já que a Santa Missa Tridentina não há (por enquanto) aqui em Recife?

Que situação…

Peço que corrija-me se falei mal. Porém, se não, o que fazer?

Deus lhe pague professor, pela atenção.

Um forte abraço.

Esperando revê-lo muito em breve, despeço-me

In Iesu et Mariae.

—————

Muito prezado,
Salve Maria.

Seu raciocínio é bem certo e exposto de modo bem claro. Meus parabéns! Você estuda e raciocina bem.
Peço-lhe até licença para citar seus raciocínios e documentos que ajudariam a muitas pessoas.
Haveria que dizer ainda que só está dispensado de assistir essa Missa protestantizante, aquele que conhece perfeitamente o perigo que ela traz para a Fé. Quem não tem plena consciência do perigo que ela traz para a Fé, não é obrigado, em consciência, a deixar de assisti-la, a menos que nela se pratiquem atos gravemente sacrílegos e na medida que a pessoa compreenda que aquilo é sacrilégio.
Escreva-me sempre. Uma abraço bem amigo.

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão