A Proximidade da Missa Nova de Paulo VI com a ‘Ceia’ Luterana

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Marcelo Fedeli

A PROXIMIDADE DA MISSA NOVA DE PAULO VI COM A ‘CEIA’ LUTERANA

Afirmações de Mons. Annibale G Bugnini, do jornal L’Osservatore Romano e de Jean Guitton, amigo íntimo de Paulo VI.

Sobre o “afastamento” da NOVA Missa de Paulo VI “da teologia católica da Missa”  [cf. cardeais Ottavianni e Bacci] à aprovação final por pastores protestantes em 1969 vejam as seguintes citações:

1 – Mons. Annibale Bugnini, indicado por Paulo VI no dia 5 de maio de 1964 como Secretário da Comissão para elaborar o Novo Ordo, já em  março 1965 manifestava no jornal da Santa Sé, L’OSSERVATORE ROMANO, seu desejo de eliminar [do futuro Rito em elaboração]  cada pedra que pudesse se tornar  ainda que só uma sombra de possibilidade de obstáculo ou de desagrado aos irmãos separados” (L’Osservatore Romano, de 11 de março de 1965; Doc. Cath. Nº 1445, de 4/4/1965, coll. 603-6040).

Pergunta-se: quais seriam as tais “pedras, obstáculos e desagrados” para os “irmãos  separados” , senão as orações e gestos que exprimiam muito claramente na liturgia romana as verdades católicas de sempre, tão repudiadas pelos protestantes, e reafirmadas no Concílio de Trento, como a Presença Real na Eucaristia, o sacerdócio ministeriale o caráter sacrifical e propiciatório da Santa Missa?

2 – L’Osservatore Romano de 13 de maio de 1967 [coincidentemente, na comemoração do 50º aniversário da 1ª aparição de Nossa Senhora em Fátima, e quando lá Paulo VI faz o seu famoso discurso enaltecendo os….“homens”…]:

“A reforma litúrgica realizou um notável passo na direção do campo ecumênico e se aproximou das formas litúrgicas da Igreja Luterana”.

3 – Por sua vez, o filomodernista JEAN GUITTON — amigo íntimo de Paulo VI — e que no  livro L’infinito in fondo al cuore”, escrito juntamente com Francesca Pini, já afirmara que “a Missa de Paulo VI parece ser a tradução de um serviço protestante” (leia mais abaixo-(1)) – no dia 19 de dezembro de 1993, no debate “Lumière 101” da Rádio Courtoise,  declarou:

…a intenção de Paulo VI em relação à liturgia, ou à vulgarização da Missa, era para reformar a liturgia católica para aproximá-la da liturgia protestante… à Ceia protestante. (…) repito que Paulo VI fez tudo o que estava em seu poder para aproximar a Missa católica — apesar do Concílio de Trento — à Ceia protestante.

Ao protesto de um sacerdote presente no debate, Guitton respondeu:

A Missa de Paulo VI se apresenta principalmente como um banquete, não é verdade?… e insiste muito  pouco na noção de sacrifício, de sacrifício ritual (…). Em outras palavras, há em Paulo VI uma intenção ecumênica de eliminar, ou pelo menos de atenuar, o que há nela de muito ‘católico’, no sentido tradicional e de aproximá-la — repito — da Missa calvinista! (UNA VOCE – França – maio/junho de 1994)

“… agora se têm a sensação de que ela seja
a tradução de um serviço protestante”
 (J. Guitton – 1998)

Falando sobre a reforma da liturgia da Missa, imposta a toda a Igreja pelo Papa Paulo VI nos anos 70, Jean Guitton faz, dentre outras, as seguintes afirmações:

1 – Antes do Concílio, a Missa era a Missa. Evidentemente era em latim, não se entendia nada, mas tinha-se a impressão (impressão???) que era a Missa. Porém, agora, têm-se a sensação que ela seja a tradução de um serviço protestante. Do meu ponto de vista, a reforma desejada pelo concílio (Vaticano II) era boa; claro que ela não queria que a Missa, a Eucaristia, fossem sacrificadas, nem principalmente reduzida àquilo que os protestantes fazem durante a sua cerimônia, que chamamos ceia. Por exemplo, quando se decidiu que o sacerdote não a celebrasse mais voltado para o altar, dando suas costas aos fiéis, mas sim voltado a eles, foi executada uma reforma decisiva que realmente perturbou muitos cristãos. Com razão (Com razão ???) quis-se celebrar a liturgia na língua comum — para que os fiéis a compreendessem —, mas sem querer abolir o sagrado. Hoje, praticamente, a Eucaristia não tem mais o caráter sagrado, sério e divino que tinha no passado.(…). (J. Guitton com Francesca PiniL’infinito in fondo al cuore, Ed. Mondadori, Milão, 1998, p. 103. O negrito é nosso).

2 – (…). Frequentemente me pergunto se os sacerdotes que rezam a Missa creem realmente que a hóstia seja o corpo e o sangue de Cristo. Principalmente quando — terminada a função — vemo-los fugir rápido e apressados da igreja, como se tivessem terminado a sua jornada. Então as pessoas se perguntam se os sacerdotes creem realmente. Se eles não creem, portanto, porque razão deveriam eles crer? (Op. cit. p. 104. O negrito é nosso).

3 – Perguntado se a Missa corre, hoje, o risco de se assemelhar a uma liturgia da palavra, responde Guitton:

Os protestantes não têm esta ideia do sacramento, da transubstanciação: eles repetem aquilo que Jesus Cristo fez, mas de modo simbólico. A ceia deles é uma liturgia da palavra, não é um ato que transforma (transforma ou transubstancia ???) o pão e o vinho no corpo e no sangue de Cristo no sentido fundamental do gesto, assim como pensam (?) os católicos. A Igreja católica tem razão de querer tornar a sua liturgia mais acessível e compreensível aos protestantes, mas não pode abandonar a essência do catolicismo: que no pão e no vinho consagrados estão o corpo e o sangue de Cristo no sentido substancial, verdadeiro e profundo. (idem, p.104. O negrito é nosso).

Perguntamos: Jean Guitton, considerado o “maior filósofo católico do século XX”, amigo íntimo de Paulo VI, presente no concílio Vaticano II e único leigo nele a discursar (aliás, fato jamais ocorrido em toda a história dos concílios da Igreja), ao criticar a “Nova Missa” de Paulo VIafirmou uma verdade, ou não?

Na qualidade de simples fiéis e leigos, aguardamos resposta séria, clara e objetiva, principalmente dos teólogos, àquela importante e atual questão.

Marcelo Fedeli
Junho 2003