Dominus Iesus – parte II

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Orlando Fedeli

 

DOMINUS IESUS II: UM SÓ CRISTO, UMA SÓ IGREJA

 

 

A Congregação para a Doutrina da Fé acaba de publicar uma Declaração que vem provocando grande celeuma. Trata-se de um Documento corrigindo posições e condenando erros muito difundidos em nossos tempos acerca da verdade e da unicidade da Igreja de Cristo, de sua identificação com a Igreja Católica e do ecumenismo.

A Declaração Dominus Iesusfoi aprovada pelo Papa “Com ciência certa e com a sua autoridade apostólica ratificou e confirmou”, no dia 16 de junho – 10 dias apenas antes da divulgação do Terceiro Segredo de Fátima – e publicada somente no dia 6 de agosto, festa da Transfiguração do Senhor.

A data de publicação parece ter sido escolhida especificamente para significar uma Transfiguração da Igreja, pois que Ela parece ter voltado a brilhar, com a luz de outrora, como única religião verdadeira e única esposa de Cristo.

A Declaração Dominus Iesus foi definida como documento do Magistério Ordinário do Papa, mas, como proclama verdades de fé já reconhecidas, e agora foram definidas, estas verdades de Fé são infalíveis, exigindo-se o assentimento interno e externo de todos os católicos, Bispos, sacerdotes ou leigos. (Cfr. Intervenção de Monsenhor T. Bertone, secretário da Congregação para a Doutrina da Fé).

É por essa razão que nos apressamos a proclamar nossa adesão – com alegria e entusiasmo — a essas verdades de Fé reafirmadas e definidas, graças a Deus, pelo Magistério Apostólico. E fazemos questão de manifestar nossa adesão alegre e entusiasta porque queremos ser absolutamente fiéis ao Papa e à Igreja, particularmente nesta hora em que até mesmo Bispos se dizem revoltados contra o magistério pontifício.

No Brasil, Dom Ivo Lorscheider ousou assinar um pronunciamento conjuntamente com luteranos contra a Declaração Dominus Iesus:

“A Declaração Dominus Iesus, levada a público neste mês de setembro de 2000 pela Congregação para a Doutrina da Fé da Cúria Romana, surpreendeu a cristandade. Periga fechar portas que haviam sido abertas por esforço ecumênico nas décadas passadas. Provocou de imediato reações de forte irritação, acarretando a ameaça de redundar em novas polarizações religiosas e de reacender antigas rivalidades.” (Pronunciamento do Seminário Bilateral Nacional Católico-Romano/Evangélico-Luterano, reunido em São Leopoldo, Rio Grande do Sul, em 7 e 8 de setembro de 2000 Referente à declaração Dominus Iesus da Congregação para a Doutrina da Fé da Igreja Católica Romana).

É lamentável que um membro do Episcopado Católico se atreva a advertir Roma, juntando sua assinatura a de luteranos.

As verdades de Fé definidas infalivelmente pela Declaração Dominus Iesuse os erros contrários a elas são:

1ª “Deve, de fato, crer-se firmemente na afirmação de que no mistério de Jesus Cristo, Filho de Deus Encarnado, que é “o caminho, a verdade e a vida”(Jo. XIV,6), dá-se a revelação da plenitude da verdade divina” (Dominus Iesus, n. 5).

Em consequência, a Dominus Iesusdeclara:

“É por conseguinte, contrária à fé da Igreja a tese que defende o caráter limitado, incompleto e imperfeito da revelação de Jesus Cristo, que seria complementar da que é presente nas outras religiões. A razão de fundo de uma tal afirmação basear-se-ia no fato de a verdade sobre Deus não poder ser compreendida nem expressa na sua globalidade e inteireza por nenhuma religião e, portanto, nem pelo cristianismo e nem sequer por Jesus Cristo”.

“Semelhante posição está em contradição com as precedentes afirmações de fé, segundo as quais, temos em Jesus Cristo a revelação plena e completa do mistério salvífico de Deus” (Dominus Iesus, n. 6).

2ª ” Deve, portanto, manter-se firmemente a distinção entre a fé teologal e a crença nas outras religiões” (Dominus Iesus, n. 7).

3ª “Deve, de fato, crer-se firmemente na doutrina de fé que proclama que Jesus de Nazaré, Filho de Maria, e só Ele, é o Filho e o Verbo do Pai” (Dominus Iesus, n. 10).

Contrários a esta verdade de fé são os seguintes erros:

“O Infinito, o Absoluto, o Mistério último de Deus manifestar-se-ia assim à humanidade de muitas formas e em muitas figuras históricas: Jesus de Nazaré seria uma delas. Mais concretamente, seria para alguns um dos tantos vultos que o Logos teria assumido no decorrer dos tempos para comunicar em termos de salvação com a humanidade.”

“Além disso, para justificar, de um lado a universalidade da salvação cristã e, do outro, o fato do pluralismo religioso, há quem proponha uma economia do Verbo eterno, válida também fora da Igreja e sem relação com ela, e uma economia do Verbo Encarnado. A primeira teria um plus valor de universalidade em relação à segunda, que seria limitada aos cristãos, se bem que com uma presença de Deus mais plena.”

“Semelhantes teses estão em profundo contraste com a fé cristã” (Dominus Iesus, n. 9 e 10).

“A esse respeito, João Paulo II declarou explicitamente: “É contrário à fé cristã introduzir qualquer separação entre o Verbo e Jesus Cristo” (Dominus Iesus, n. 10).

4ª “Do mesmo modo, deve crer-se firmemente na doutrina de fé sobre a unicidade da economia salvífica querida por Deus Uno e Trino, em cuja fonte e em cujo centro se encontra o mistério da encarnação do Verbo, mediador da graça divina no plano da criação e da redenção (Cfr. Col. I, 15-20), “recapitulador de todas as coisas” (I Cor. 1, 30). (Dominus Iesus, n. 11).

Por essa razão são condenados os seguintes erros:

“Portanto, não é compatível com a doutrina da Igreja a teoria que atribui uma atividade salvífica ao Logos como tal na sua divindade, que se realizasse “à margem” e “para além” da humanidade de Cristo, também depois da encarnação” (Dominus Iesus, n. 10).

“Há ainda quem sustente a hipótese de uma economia do Espírito Santo com um caráter mais universal que a do Verbo Encarnado, crucificado e ressuscitado. Também esta afirmação é contrária à fé católica, que, ao contrário considera a encarnação salvífica do Verbo um acontecimento trinitário.” (Dominus Iesus, n. 12).

5ª “Deve, invés, crer-se firmemente, como dado perene da fé da Igreja, a verdade de Jesus Cristo, Filho de Deus, Senhor e único salvador, que, no seu evento de encarnação, morte e ressurreição realizou a história da salvação, a qual tem n’Ele a sua plenitude e o seu centro” (Dominus Iesus, n. 13).

6ª “Deve, portanto, crer-se firmemente como verdade de fé católica que a vontade salvífica universal de Deus Uno e Trino é oferecida e realizada de uma vez para sempre no mistério da encarnação, morte e ressurreição do Filho de Deus”. (Dominus Iesus, n. 14).

7ª “Assim, e em relação com a unicidade e universalidade da mediação salvífica de Jesus Cristo, deve crer-se firmemente como verdade de fé católica a unicidade da Igreja por Ele fundada”. (Dominus Iesus, n. 16).

“Como existe um só Cristo, também existe um só seu Corpo e uma só sua Esposa: “uma só Igreja católica e apostólica”. Por outro lado, as promessas do Senhor de nunca abandonar a sua Igreja (Cfr. Mt 26,18; 38,20ss) e de guiá-la com o seu Espírito (cfr. Jo 16,13) comportam que, segundo a Fe católica, a unicidade e unidade, bem como o que concerne a integridade da Igreja, jamais virão a faltar” (Dominus Iesus, n. 16)

8ª “Os fiéis são obrigados a professar que existe uma continuidade histórica – radicada na sucessão apostólica – entre a Igreja fundada por Cristo e a Igreja Católica: “Esta é a única Igreja de Cristo […] que o nosso Salvador, depois de sua ressurreição, confiou a Pedro para apascentar (cfr. Jo 21,17), encarregando-o a Ele e aos demais Apóstolos de a difundirem e de a governarem (cfr. Mt 38,18ss.); levantando-a para sempre como coluna e esteio da verdade (cfr. 1Tm 3,15). (Dominus Iesus, 16).

Daí a condenação do seguinte erro:

“Os fiéis não podem, por conseguinte, imaginar a Igreja de Cristo como se fosse a soma – diferenciada e, de certo modo, também unitária – das Igrejas e Comunidades eclesiais, nem lhes é permitido pensar que a Igreja de Cristo hoje já não existe em parte alguma, tornando-se assim, um mero objeto de procura por parte de todas as Igrejas e Comunidades” (Dominus Iesus, n. 17).

9ª “Antes de mais, deve crer-se firmemente que a “Igreja, peregrina na terra, é necessária para a salvação” (Dominus Iesus, n. 20).

“Só Cristo é mediador e caminho de salvação; ora, Ele torna-se-nos presente no seu Corpo que é a Igreja; e, no inculcar por palavras explícitas a necessidade da fé e do Batismo (Cfr. Mc 16,16; Jo 3,15), corroborou ao mesmo tempo a necessidade da Igreja, na qual os homens entram pelo Batismo tal como por uma porta” (Dominus Iesus, n. 20).

10ª “Com a vinda de Jesus Cristo Salvador, Deus quis que a Igreja por Ele fundada fosse o instrumento de salvação para toda a humanidade (Cfr. At 17,30-31).

Após definir esta décima verdade de fé, a Declaração prossegue com a condenação de mais um erro contrário a ela: o de que tanto faz escolher uma religião quanto outra, todas se equivaleriam.

“Esta verdade de fé nada tira ao fato de a Igreja nutrir pelas religiões do mundo um sincero respeito, mas, ao mesmo tempo, exclui de forma radical a mentalidade indiferentista “imbuída de um relativismo religioso que leva a pensar que “tanto vale uma religião como outra” (Dominus Iesus, n. 22. O itálico e o negrito são nossos).

Evidentemente, há um ziguezagueio – para não dizer incoerência e até contradição – entre a parte citada em itálico e a parte citada em negrito. Condena-se o erro, e de modo radical, porém querendo manter o tom diplomaticamente ecumênico pelas falsas religiões. o que é lamentável.

Como pode se dizer que a igreja tem “sincero respeito” pelas religiões do mundo, se “exclui deforma radical mentalidade indiferentista” etc.?

O respeito pode ser pelas pessoas que se deseja converter à verdadeira e única Igreja de Cristo, a Igreja Católica Apostólica Romana, nunca pelas falsas religiões que, não podendo salvar, perdem as almas. O médico respeita o doente, mas nunca pode afirmar que tem “um sincero respeito” pelo câncer que as afeta. E é, aliás, o que a própria Declaração afirma, graças a Deus, com as seguintes palavras:

“A paridade, que é um pressuposto do diálogo, refere-se à igual dignidade pessoal das partes, não aos conteúdos doutrinais e muito menos a Jesus Cristo – que é o próprio Deus feito Homem – em relação com os fundadores das outras religiões” (Dominus Iesus, n. 22).

Em todo caso, o que está definido é que não se pode afirmar “que tanto vale uma religião como outra”, e que não se pode colocar no mesmo nível Jesus Cristo com os fundadores de religiões falsas.

Vemos por essas condenações dos erros que grassam entre os católicos desde o Vaticano II – erros causados pela ambiguidade de seus textos – que a causa fundamental de tanta confusão doutrinária é o relativismo e o subjetivismo face à verdade (Cfr. Dominus Iesus, n. 4).

Na raiz dos erros que motivaram a DeclaraçãoDominus Iesus, “encontram-se certos pressupostos de natureza tanto filosófica como teológica, que dificultam a compreensão e a aceitação da verdade revelada. Podem indicar-se alguns: a convicção de não se poder alcançar nem exprimir a verdade divina, nem mesmo através da revelação cristã; uma atitude relativista perante a verdade, segundo a qual, o que é verdadeiro para alguns não o é para outros; a contraposição radical que se põe entre a mentalidade lógica ocidental e a mentalidade simbólica oriental; o subjetivismo de quem considera a razão como única fonte de conhecimento, se sente “incapaz de levantar o olhar para o alto e de ousar atingir a verdade do ser”; a dificuldade de ver e aceitar na história a presença de acontecimentos definitivos e escatológicos; o vazio metafísico do evento da encarnação histórica do Logos eterno reduzido a um simples aparecer de Deus na história; o ecletismo de quem, na investigação teológica, toma ideias provenientes de diferentes contextos filosóficos e religiosos, sem se importar da sua coerência e conexão sistemática, nem da sua compatibilidade com a verdade cristã; a tendência, enfim, a ler e interpretar a Sagrada Escritura à margem da Tradição e do Magistério da Igreja” (Dominus Iesus, n. 4).

As verdades de fé definidas por este último documento do Magistério da Igreja tem provocado – lamentavelmente – um verdadeiro terremoto, que ameaça separar parte do Episcopado da própria Igreja.

Ainda agora o ex Frei Leonardo Boff lançou um virulento ataque à Dominus Iesus, vendo nela a condenação do ecumenismo, assim como de toda a mentalidade modernista e herética que sempre o caracterizou. Do mesmo modo, teólogos da libertação lançaram outro manifesto repudiando aDominus Iesus.Mostram-se, pois, contrariados todos aqueles que seguiam uma linha ecumênica que diluía a verdade de Fé de que existe uma só Igreja de Cristo, e que esta é a Igreja Católica Apostólica Romana. Mostram-se revoltados os que tinham um conceito modernista de Igreja, considerando que ela era formada por uma misteriosa união de todas as religiões.

Mas, os que sempre permaneceram fiéis à Igreja, estes se mostram jubilosos pelo fato de que estas verdades, depois de um longo e infeliz eclipse, tenham voltado a iluminar os homens. É com isto que nos congratulamos de todo o coração e do fundo de nossa alma, reafirmando nossa total e completa adesão às verdades de fé ora proclamadas de novo pela Santa Sé – verdades que sempre foram ensinadas pela Igreja – agradecendo a Deus esta graça concedida à Santa Igreja por meio do Imaculado Coração de Maria.