Eis o Terceiro Segredo de Fátima…

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão

Orlando Fedeli

EIS O TERCEIRO SEGREDO DE FÁTIMA: O CARDEAL PACELLI O LEU… E CONTOU ALGO

 

Em 1936, pouco antes de partir para sua viagem aos Estados Unidos, o Secretário de Estado de Pio XI, Cardeal Eugênio Pacelli, o futuro Pio XII, disse ao Conde Enrico Pietro Galleazzi:

 

“Suponha, meu caro amigo, que o comunismo seja apenas o mais visível dos órgãos de subversão contra a Igreja e contra a tradição da revelação divina, então nós vamos assistir à invasão de tudo o que é espiritual, a filosofia, a ciência, o direito, o ensino, as artes, a imprensa a literatura, o teatro e a religião. Estou obcecado pelas confidências da Virgem à pequena Lúcia de Fátima. Essa obstinação de Nossa Senhora diante do perigo que ameaça a Igreja, é um aviso divino contra o suicídio que representaria a alteração da fé, em sua liturgia, sua teologia e sua alma”. (…)

“Ouço em redor de mim os inovadores que querem desmantelar a Capela Sagrada, destruir a chama universal da Igreja, rejeitar seus ornamentos, dar-lhe remorso de seu passado histórico”.

“Pois bem, meu caro amigo, estou convicto que a Igreja de Pedro deve assumir o seu passado ou então ela cavará sua sepultura”.

“…um dia virá em que o mundo civilizado renegará seu Deus, em que a Igreja duvidará como Pedro duvidou. Ela será tentada a crer que o homem se tornou Deus, que seu Filho é apenas um símbolo, uma filosofia como tantas outras, e nas igrejas os cristãos procurarão em vão a lâmpada vermelha em que Deus os espera”. (Monsenhor Georges Roche e Philippe St. Germain, Pie XII devant l´Histoire, Laffont, Paris, 1972, pp 52-53; idem Abbé Daniel Le Roux, Pierre m’aimes-tu?, edit Fideliter, Brout Vernet 1986. p. 1; idem Padre Dominique Bourmaud, Cien Años de Modernismo, Ed Fundación San Pio X, Buenos Aires, 2006, p. 312; apud Dom Bernard Fellay, Superior Geral da FSSPX, Resposta de 22 de junho de 2001 à carta do Cardeal Castrillon Hoyos de 7 de maio de 2001. Communicantes, Août 2001, http://www.sspx.ca/Communicantes/Aug2001/French/Monseigneur_Fellay_repond.htm).

Que profecias precisas!

Claro é, porém, que o Cardeal Pacelli não era profeta.

Ele afirmava que estava impressionado com o que Nossa Senhora de Fátima falava “obstinadamente” a Lúcia – uma das videntes de Fátima – sobre “o suicídio que representaria a alteração da fé, em sua liturgia, sua teologia e sua alma”.

De onde o Cardeal Pacelli tirou essas previsões de Nossa Senhora de Fátima para a vidente Lúcia?

Em nenhum livro, ao que saibamos, se conta que Nossa Senhora teria dito tais coisas a Lúcia.

De onde, então, o Cardeal Pacelli, o futuro Pio XII, tirou essas previsões?

Só pode ter sido do texto do Terceiro Segredo de Fátima, escrito por Irmã Lúcia, segredo ao qual o Cardeal Secretário de Estado de Pio XI deve ter tido acesso, e cujo texto ainda não foi publicado. (Publicou-se somente a descrição da visão a ele correspondente).

No Terceiro Segredo de Fátima, Nossa Senhora teria antecipadamente acusado o Concílio Vaticano II e a Missa Nova de Paulo VI como suicidas.

É por isso que os Papas têm se recusado a publicar o Terceiro Segredo de Fátima: ele condena o Concílio Vaticano II e a Nova Missa de Paulo VI.

São Paulo, 24 de maio de 2007, festa de Nossa Senhora Auxiliadora.

image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão