Globalismo – Nova Ordem Mundial

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Data: 17-Out-2017
De: Isabel Santos
Cidade: São Paulo-SP
Assunto: Globalismo – Nova Ordem Mundial

***

Olá professor André Mello, Paz e Bem!

Aproveitando a oportunidade que nos dá em enviar perguntas ao Apostolado…

Gostaria de compreender o que é o globalismo?

Há algumas correntes de pensamento, que dizem que há três poderes mundiais disputando o domínio do mundo: Comunismo, Islamismo e Globalismo… que ora agem articulados, ora brigam entre si… mas todos visam impor uma Nova ordem mundial, cada um a seu modo… Até onde isso é correto?

Já estudei um pouco sobre o Comunismo e sobre o Islamismo… Mas ao globalismo não consigo compreender… A que diz a respeito??? Qual o histórico do Globalismo (sua origem, sua ação ao longo da história, seus agentes, sua relação com os outros dois poderes, quem são seus agentes e suas ações no Brasil?); Esse projeto Globalista tem relação com a Nova Ordem Mundial profetizada nas Sagradas Escrituras???…

Já li algumas coisas sobre o assunto; Mas há muita informação, e não consigo discernir o que é verdade, do que é invenção ou manipulação…

Terá alguma aula sobre esse tema??? Há alguma bibliografia ou artigos confiáveis que possa indicar???

Perdão pela falta de clareza e erros na escrita, espero que consiga me compreender…

Agradeço a atenção… que Deus Lhes pague a Caridade e Nossa Senhora interceda por todos os Professores desse bellíssimo Apostolado…

Salve Maria

Isabel Santos

Ps: Gostei muito das últimas aulas, do professor Marcelo Andrade e da Professora Laura… estou ansiosa pela continuação…

 ***

Resposta

Prezada Isabel, salve Maria!

Pelo que eu saiba, quem primeiro comentou sobre os “três poderes” foi Soloviev com a teoria das três forças, dentro da lógica do movimento eslavófilo, que era milenarista, no qual a Rússia era considerada como “o messias do mundo” e poderia fazer a síntese do processo histórico do Ocidente ( inclui os “globalistas”) excessivamente racionalista em contraste com o Islã exageradamente religioso e místico.

Porém, esta visão esconde a verdadeira noção de história. Há só dois lados na História: a Cidade de Deus e a Cidade dos Homens, a Igreja versus anti-Igreja. É a doutrina católica versus a gnose.

A divisão destas três forças é aparente apenas, pois todas elas têm o mesmo objetivo: a destruição da Igreja Católica e da civilização por ela construída. Difícil não pensar em conexões subterrâneas entre as “três forças” sob um mesmo comando. Mas, é verdade que estas forças podem brigar entre si, aliás, é dito no sonho de Dom Bosco que os inimigos da Igreja vão brigar entre si. E estas três forças não deixam de serem socialistas.

Globalismo é uma palavra vaga que possui mais de um sentido, pode significar, por exemplo, uma ação global, assim até a Igreja seria “globalista”.

Porém, é muito comum que o termo globalismo seja empregado como “New World Order”, o qual seria formado por um grupo secreto combinado com outros grupos secretos ou discretos que intentam dominar o mundo pelo mercado financeiro, ideologia, televisão etc. Isto veramente está em curso e em parte conseguiram, pois boa parte do globo pensa igual e a corrupção moral é endêmica. Dentro do conceito da gnose dialética, também se fala em “aldeia global”, que seria a junção de um suposto paraíso roussoniano que teria existido em aldeias no passado com a visão de um mundo idealizado, também, seria uma síntese do passado com o futuro, traduzindo um ódio ao tempo, típico da gnose. Há até uma palavra que designa isto em russo: “mir”, que significa mundo, aldeia e paz.

Hodiernamente, há pessoas que sustentam que Israel e Trump seriam contra os “globalistas”!!! Nada mais ridículo. E é absolutamente falso que haja uma “tradição judaico-cristã”, pelo menos sem forçar demais a expressão.

O assunto é longo e pretendemos abordar a questão em uma aula.

Marcelo Andrade