“José carpinteiro”: breve meditação sobre um quadro barroco

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

 

Prezados amigos, salve Maria!

Escolhi, há alguns anos, a pintura acima como a imagem em que devo me inspirar para meus trabalhos e cumprimento dos meus deveres de estado. Não deixo nunca de me comover, cada vez que paro para contempla-la e meditar um pouco no que ela significa.

Trata-se de “José o carpinteiro”, um quadro barroco de Georges de la Tour, de 1642. O estilo barroco nele é inconfundível. Uma cena muito simbólica, muito escura, com um foco de luz central (não um centro geométrico, mas de importância) e um forte contraste entre claro e escuro. Também as cores são escuras, porém tão vivas como o fogo.

Os ingênuos – e muitos assim se perceberão – pensam que o foco principal de luz é a vela. Enganam-se. É o rosto do menino. Obviamente, a vela é apenas a fonte de luz natural, com todos os símbolos que a vela porta e que já conhecemos. Não é à toa que a vela tem certo destaque na cena. Mas o menino a esconde com a mão, numa indicação de mistério. É verdade que poderíamos pensar que a mão do menino sobre a vela representa a encarnação do Verbo, quando o corpo de cristo esconde a luz da natureza divina. Creio que isto também esteja muito bem simbolizado aí. Mas, o centro de importância do quadro é a luz que emana da face do menino.

A vela é a razão humana, que ilumina parte dos corpos, que é o que enxergamos com os olhos da carne. A luz verdadeira emana do Ser de Deus, que é o rosto do menino, pois é pelo rosto que se conhece a identidade e a verdade do que somos.

A figura à esquerda é São José, que representa em seu rosto o resumo da sabedoria e da justiça humanas. Quem o olha atentamente, vê a serenidade de um santo que parece não precisar mais de perfeição. É o judeu que tem a lei, os profetas e o Messias. Ele ocupa suas mãos com a ferramenta, que é a aplicação dos conhecimentos humanos, que é nada perto do ser de Deus. Por isto, lhe calca sob os pés e é a atividade mais baixa da cena. São José dobra seu corpo sobre ela, inclinando-se às necessidades humanas.

No entanto, inclinando-se aos deveres de estado, inclina-se, contemporaneamente, ao menino e expõe totalmente a sua parte superior, a cabeça, ao que o menino o ensina. Reparem em sua testa iluminada. A calvície é a nudez dos pensamentos mundanos, a inocência que permite aos puros verem a Deus. Os olhos de São José não estão no trabalho humano, mas atentos ao que lhe ensina o menino. São José, perfeito, ouve como uma criança atenta ao que ensina seu filho, que é A criança, a fonte de luz, com a atenção de quem ouve o que há de mais elevado e parece deleitar-se enormemente, interiormente, com o que ouve. Parece até que o menino lhe explica a mais velada das profecias. Vendo a mão que oculta a vela, suponho que o menino lhe explica alguma profecia sobre a encarnação do Verbo.

O menino também trabalha. Segura a luz para que São José veja bem, com prudência, o que faz. O menino ajuda o velho pai, que já tem as vistas cansadas, com algo que parece tolo, como que pondo um véu sobre o tema do quadro, que é a sabedoria do menino sendo transmitida ao velho pai, enquanto o velho pai ocupa-se de sustentar humanamente o menino com os trabalhos necessários do mundo. Como se o menino não pudesse prover milagrosamente aquele mínimo, mas Nosso Senhor nos permite o suor nos menores afazeres e nos garante o sublime de sua companhia, nos acompanhando em nossas misérias, com uma velinha humanamente insignificante. Enquanto sua face brilha de tanta verdade, desejando ardentemente nos contar a beleza de seu Ser desde toda a eternidade.

Fabio Vanini
19/3/2020, Festa de São José