Tirania: a verdadeira face da Igualdade

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Orlando Fedeli

 

TIRANIA: A VERDADEIRA FACE DA IGUALDADE

 

 

“Liberdade, igualdade, fraternidade”.

Na verdade, apenas o segundo dos três princípios que integram o lema da Revolução Francesa foi posto em prática – e a ferro e fogo – por seus próceres.

A liberdade revolucionária encontrou sua expressão na lei dos suspeitos, no juramento compulsório da Constituição Civil do Clero, na perseguição à religião, na proscrição de todos os opositores.

A fraternidade, por sua vez, despedaçada em inúmeros massacres, foi enterrada na vala comum com as vítimas da guilhotina.

Explica-se. Na ótica deformada de Danton, Robespierre e Marat, a igualdade era a primeira e fundamental meta, da qual, um vez implantada, derivariam naturalmente a liberdade e a fraternidade. Estas últimas, segundo eles, encontravam obstáculos na “tirania” exercida pelo rei, pelo clero e pela nobreza. Bastaria, pois, esvaziar os poderes dessas ordens – através do nivelamento religioso e político – para atingir o que entendiam os revolucionários por liberdade e fraternidade.

O resultado foi o terror.

 

***

 

E não poderia ser de outra forma.

Ensina S. Tomás – e comprova-o o simples bom senso – que os homens, embora iguais em sua essência – corpo e alma – distinguem-se nos acidentes.

Por conseguinte, conquanto todos tenham direitos iguais àquilo que diz respeito à própria essência do ser humano – direito à vida, ao alimento, ao casamento, ao trabalho – certas desigualdades acidentais ensejarão, naturalmente, a aquisição de direitos desiguais.

Assim, deve o Estado procurar garantir a todos o exercício dos direitos necessários à manutenção e transmissão da vida. Da mesma forma, a justiça ordena que, aos mais capazes e mais inteligentes, por seu trabalho, seja atribuído um salário maior do que aos incapazes e tolos, aos mais trabalhadores seja dada recompensa maior do que aos vadios, aos idosos mais vantagens do que aos jovens, aos pais mais respeito e direitos do que aos filhos.

Deixar agir a natureza, dar liberdade a cada homem para que exercite e desenvolva suas peculiares aptidões e virtudes, traduz-se, pois, em fomentar desigualdades.

A contrário sensu, coarctar tais desigualdades, submetendo a sociedade a uma inexorável prensa niveladora, implica cercear o livre e natural desenvolvimento da atividade humana. E a natureza só se dobra com a força.

Daí a íntima e inarredável conexão entre igualitarismo e tirania.

Fidel Castro comprova isso, tanto quanto Hitler, Mao e Pol Pot.

 

***

 

“Caí sobre aqueles que têm carruagens, criados e vestidos de seda. Visitai as prisões, assassinai os nobres, os padres e os ricos. Não deixeis atrás de vós senão sangue e cadáveres” (Cfr. P. Gaxotte, A Revolução Francesa, pág 193). Este brado de Marat parece ter calado fundo na alma dos revolucionários de todos os séculos.

Como se percebe, o homem modelo dos “enragés” – que propugnava o assassinato, sem julgamento, de 260.000 pessoas, para “salvar a Revolução” – bem compreendia a ideia que expusemos acima.

Valendo-se dos meios mais sanguinolentos para produzir a igualdade mais radical, até o delírio. Eis o que pretendeu a Revolução Francesa.

Hébert, anunciando que a assembléia de uma aldeia ordenara a derrubada de todos os seus campanários, propôs que se fizesse o mesmo em Paris.

O motivo?

Sobressaindo-se aristocraticamente sobre as demais construções urbanas, as torres violavam o princípio da igualdade. O conselho comunal admitiu a proposta e a enviou ao departamento (J. B. Weiss, História Universal, vol. XVIII, pág. 122).

Em 1793 a Convenção regulamentou a moagem do trigo, e ordenou a mistura de grãos de diferentes espécies, para confeccionar o “pão da igualdade”, que substituía quaisquer outros pães (A. Mathiez, Historie de la Révolution Française, vol. III, pág. 78).

Dizem que todos são iguais na morte. Não contente com isso, a Convenção chegou ao ponto de determinar que todas as sepulturas fossem iguais (J. Castelnau, Les Grandes Journées de la Convention, pág 56).

Marxista “avant la lettre”, em 4/9/1793 Chaumette bradava na Comuna: “Isto é a guerra declarada dos ricos contra os pobres, eles querem nos esmagar, pois bem, é preciso adverti-los, é preciso esmagá-los, e temos as forças nas mãos”.

Robespierre, embora mais demagogo, não era menos cruel: “O sangue de 300.000 franceses correu e correrá outro tanto, talvez, para que o pobre trabalhador possa sentar-se no senado ao lado do rico mercador” (J. B. Weiss op. Cit., vol. XVIII, pág 467).

 

***

 

“Chassez le naturel, il revient au galop” (Expulsai o que é natural, e ele retornará a galope), diz o ditado.

Todas as revoluções igualitárias redundaram apenas na criação de novas desigualdades, ainda mais acentuadas. E odiosas, pois que ilegítimas.

A Revolução Francesa não fugiu a essa regra.

Joseph Lebon, padre apóstata, nomeado comissário da Convenção em Arras, no ano de 1794, sustentava que, na condição de representante do povo, ele era maior que o Rei. Em consequência, detinha a quem não o saudasse na rua, e repreendia os que lhe dirigiam a palavra sem baixar os olhos (J.B. Weiss, op. cit., vol. XCII, pág. 914/915).

Cambacéres, deputado regicida feito príncipe por Napoleão, determinava a seus amigos: “Em público, limitai-vos a chamar-me “Vossa Alteza”, mas na intimidade basta chamar-me simplesmente de Monsenhor”. Em suas recepções, somente era dado falar-lhe a quem ele houvesse antes dirigido a palavra. (L. Madelin, Historie du Consulat et de l’Empire, vol XI, pág. 43).

Robespierre foi mais longe. Dele disse um convencional: “Vede esse animal, não basta que ele seja o senhor, é preciso ainda que ele seja um Deus” (J. B. Weiss, op. cit., pág. 380, nota 4)

Não se trata de exagero. Robespierre, de fato, fez-se adorar como Deus. Na festa do Ser Supremo, que organizou, Robespierre, cercado de incenso, recebeu a adoração do povo como dirigida a si próprio: “Um instante, esse vigário de Deus se acreditou Deus”, comenta L. Madelin (La Revolution, pág. 364).

Napoleão tinha bem razão ao dizer que fora a vaidade que fizera a Revolução Francesa.

 

***

 

A História sempre se repete, porque se repetem os vícios humanos..

O que acima descrevemos, é fácil percebê-lo, condiz perfeitamente com o que sucedia além da cortina de ferro.

Pois foi ali que, a pretexto de banir a opressão, exerceram e exercem suas ditaduras igualitárias e sanguinárias em dachas e mansões luxuosas, Lênin, Stalin, Brejnev, Tito, Mao Tse Tung, Li Peng, Fidel Castro, e outros tantos membros das privilegiadas castas dos herdeiros de Robespierre, Danton e Marat.