Protestantismo e Catolicismo nos EUA

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Data: 17-Mar-2018
De: Victor
Cidade: ——–
Assunto: Protestantismo e Catolicismo nos EUA

***

Bom dia, André Melo. Salve Maria. Estou vendo a terceira parte das magníficas aulas do Marcelo Andrade sobre a história dos EUA e fiquei com uma dúvida. Se o racismo era tão grande nos EUA,que é um país protestante, porque há tantos negros protestantes? Penso que os negros norte-americanos deveriam se voltar para o catolicismo, talvez, ou para uma outra religião. Obrigado e fique com Deus.

***

Resposta

Pergunta inteligente.

O “interesse protestante” na falsa “conversão dos negros” foi tardio, aconteceu depois da independência. Nesse processo, os protestantes brancos deixaram transparecer o intrínseco racismo americano, o que gerou as “igrejas negras” (black churchs), já que os africanos descendentes eram “desestimulados” a frequentarem as “igrejas brancas”, assim a segregação racial existia na religião também e chegou-se ao cúmulo de haver uma “teologia negra”. Desta forma, se há uma seita batista branca, há uma batista negra. Ainda hoje, em boa dos EUA é desta forma. Agora, porque os negros aceitaram isto, é caso para estudo. Há algumas décadas surgiu um movimento muçulmano negro bem “engajado”.

Os católicos nunca foram a classe dominante nos EUA, talvez por isso, não tivessem meios de fazer apostolado em grande escala com os negros, como foi feito na América Latina.

 

Marcelo Andrade