1260- Heresias De um Estudante de Teologia – II

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão

Orlando Fedeli

Heresias de um Estudante de Teologia – II

 

  • Localização: São Paulo – SP

Caro Orlando,

Continuo impressionado com suas respostas que são evasivas e sem fundamentos.
Herético é todo aquele que fala e age de forma contrária à doutrina da Igreja Católica.
Chamar de modernista um padre que teve sua tese de doutorado chancelada pelo hoje Papa Bento XVI, vários professores que defenderam suas teses de mestrado e doutorado nas Pontificias em Roma (Itália), que tem seus diplomas chancelados pelo Vaticano, professores doutores em Bíblia, considerados por muitos e pela igreja como entre os maiores exegetas e hermenêutas do mundo, que são chamados para ensinar bispos no Vaticano, então é chamar a igreja de modernista.
Esta história de modernista é uma maneira de tentar desqualificar as pessoas.
Não se moderniza a Palavra de Deus, mas a atualiza, contextualizando o ensinamento passado, primeiro via oral, e depois escrito, nos dias de hoje. É necessário se fazer a atualização da revelação, não sua modernização.
Mas também não podemos continuar vivendo como se vivia na idade média. Temos que enchergar a palavra de Deus como se falada hoje, na linguágem de hoje, senão cairemos no fanatismo, no fundamentalismo.
REPITO: não podemos modernizar a PALAVRA DE DEUS mas sim RELER esta PALAVRA na linguágem de hoje.
Jesus nos fala hoje, sobre os problemas atuais, sobre nossa realidade e não sobre a realidade de Israel de 2.000 anos atráz ou da idade média.
Você se fundamenta em uma resposta da Pontifícia Comissão Bíblia de 1.906, portanto fazendo 100 anos. Só que a igreja vive hoje à luz do Concílio Vaticano II e talvez ja caminhando para o terceiro (Só Deus sabe quando será necessário). Nâo que o CVII veio abolir tudo o que foi dito antes, mas atualizou a doutrina conforme o momento que vivemos e reviu muita coisa que, como disse na carta enterior, as ciências mostraram estarem errados.
Se Moisés escreveu realmente o livro de Gênesis, porque narrou duas vezes a criação, de forma literária completamente diferênte?
Porque encontramos vários textos redigidos de formas diferêntes em todo o Pentatêuco?
Se foi Moisés quem escrevem, é lógico que o tipo de escrita, de narrativa, estilo lliterário seriam iguais, o que não acontece no Pentatêuco.
E porque não há relato sobre Moisés desenrolando um pergaminho e lendo a lei, só relatos dele dizendo?
Se Adão e Eva foram os primeiros humanos na terra, como, Caim, depois de ter matado Abel e sido expulso de junto dos pais, encontrou uma mulher, casou e teve descendência? Acaso a humanidade começou com um incesto?
Muitas dúvidas que a igreja não conseguia responder e consequentemente impunha o que achava verdade, foram revistas e sanadas com a ajuda das ciências, ou elas são ruins? São coisas do mal?
E é sobe a luz do Concílio Vaticano II, com base nos documentos elaborados nele pelos bispos da igreja do mundo todo é que se formulou e se ensina a doutrina da igreja.
REPITO: NÃO É NOVA DOUTRINA, POIS NOS FOI PASSADA POR JESUS, MAS SIM A ATUALIZAÇÃO CONFORME A REALIDADE QUE VIVEMOS.
Quem realmente está completamente enganado é você, que fala aquilo que acha e não o que a igreja ensina.
Sugiro que você leia todos os documentos do CONCÍLIO VATICANO II. Talvez consiga dar respostas com mais fundamentos teológicos para as pessoas, e não idéias pessoais.

3° ano teologia Assunção
—————–
Muito prezado,
Salve Maria.

Sua carta coloca uma pergunta perplexitante: como um aluno que defende tais heresias, e de modo tão incompetente, pode ter chegado ao 30 ano de Teologia da Faculdade Nossa Senhora da Assunção, de São Paulo?
Sua carta desabona qualquer instituição escolar superior.
Pior: um herege que nem distingue a sua heresia, e um incompetente que nem percebe sua incompetência.
Um teólogo, como você indica que vai ser, será, normalmente, um cego que pretenderá guiar cegos. Com um título visionário.
Certamente você vai colocar seu futuro diploma de Teologia num quadro, em uma parede de seu escritório. Porque, assim como você assina seu nome orgulhosamente, ostentando-se como “aluno do Terceiro ano de Teologia”, mais ainda você ostentará seu diploma e seu título…vazio.
Sem perceber que sua ignorância monumental não honra a Faculdade que você freqüenta.
Como você chegou ao terceiro ano de Teologia, escrevendo o que escreve? Escrevendo como escreve?
Certamente, você, com a competência que demonstra, poderá vir a ser um sucessor do Lula.
Aliás, ele também, é um “católico à sua maneira”, como o definiu de modo perplexitante o Cardeal Hummes.
Contaram-me — e quase não acreditei — que professores dessa sua Faculdade ufanamente proclamam que querem produzir crises de Fé em seus alunos. Sua carta me faz crer que, de fato, seus professores podem ter dito isso.
E dos alunos, em crise de Fé, fizeram “católicos à sua maneira”, isto é, hereges modernistas.
Você deve ter tido na infância formação católica. A senhora sua mãe, se lesse sua carta, ou ouvisse seus delírios teológicos, deveria ficar estarrecida com a destruição da Fé que a Faculdade de Teologia produziu em você. Certamente ela lamentaria o fato de você ter entrado em uma Faculdade onde “Doutores de dúvidas”, que se pejam de criar crises de Fé, envenenaram a sua alma.
Analisemos, então, a sua pobre carta.
Já em sua segunda frase, você comete uma imprecisão, pois me diz:

“Herético é todo aquele que fala e age de forma contrária à doutrina da Igreja Católica”.

Não é assim. Herege é aquele que nega de modo consciente e obstinadamente um dogma da Igreja.
Por exemplo, aquele que afirma pertinazmente que a doutrina da Igreja deve se adaptar aos tempos, mudando seus dogmas, de acordo com os novos dados das Ciências, é herege modernista, pois São Pio X condenou essa doutrina na encíclica Pascendi e no Decreto Lamentabili.
Claro que você nunca leu esses documentos solenes de um Papa Santo. Por isso, vou citá-los para você, para que aprenda, pois tenho pena de você, pobre vítima dos “Doutores de Dúvidas”.
O Decreto Lamentabili condenou os seguintes erros da heresia Modernista que você professa em sua pobre carta:

“53—“A constituição orgânica da Igreja não é imutável,senão que a sociedade cristã, da mesma forma que a sociedade humana, está sujeita a perpétua evolução”
“64- O progresso das ciências exige que se reformem os conceitos da doutrina cristã sobre Deus, a criação, a revelação, a pessoa do Verbo Encarnado e a Redenção”
“65 –O Catolicismo atual não pode conciliar-se com a verdadeira ciência, se não se transforma em um cristianismo não dogmático, isto é, em um protestantismo amplo e liberal”.
“Censura: Sua Santidade aprovou e confirmou o decreto dos Eminentíssimos Padres e mandou que todas e cada uma das proposições acima enumeradas fossem por todos tidas como reprovadas e proscritas”
(São Pio X, Decreto Lamentabili, de 3 de Julho de 1907, in Denzinger, 2.053- 2.064- 2.065- 2.065 a).
Reparou você, meu caro, como essas condenações de São Pio X caem sobre as teses que lhe ensinam na sua Faculdade de Teologia Modernista?
Reparou você como essas condenações de São Pio X reprovam o que você colocou em sua carta para mim, repetindo as idéias heréticas que lhe incutiram de uma igreja em perpétua evolução de acordo com os progressos da ciência?
Não é a Ciência a fonte da Verdade, mas Jesus Cristo. E o Divino Mestre nos ensinou:

“Passarão os céus e a terra, mas minhas palavras não passarão” (São Mateus XXIV, 35)

E o Salmo CXVI, 2 afirma contra o que lhe ensinaram:

“Veritas Domini manet in aeternum” – “A Verdade de Deus permanece eternamente”

E que você não crê mais na Igreja ,– como modernista que é — não crê em sua doutrina imutável, mas nas Ciências (que você certamente desconhece), fica provado na seguinte frase sua:

“Muitas dúvidas que a igreja não conseguia responder e consequentemente impunha o que achava verdade, foram revistas e sanadas com a ajuda das ciências, ou elas são ruins? São coisas do mal?”

Para você, então, a Igreja Católica não é mestra infalível de verdades. Ele tinha dúvidas, e, quando não sabia responder, impunha tiranicamente a “sua” verdade.
Para você mestras da verdade são “as ciências”.
Você sabe o que escreveu São Paulo: “Cientia inflat”?- “A ciência incha” (ICor. VIII, 1). Incha de orgulho.
E veja como você argumenta mal, quando me escreve o seguinte parágrafo:

“Chamar de modernista um padre que teve sua tese de doutorado chancelada pelo hoje Papa Bento XVI, vários professores que defenderam suas teses de mestrado e doutorado nas Pontificias em Roma (Itália), que tem seus diplomas chancelados pelo Vaticano, professores doutores em Bíblia, considerados por muitos e pela igreja como entre os maiores exegetas e hermenêutas do mundo, que são chamados para ensinar bispos no Vaticano, então é chamar a igreja de modernista”. (Os destaques são meus para deixar claro o seu erro).

Meu caro, um padre pode ter se diplomado em Roma, e ter tido seu diploma chancelado pelo Papa, e, entretanto, ele pode ser modernista. O Papa não é infalível quando chancela um diploma. E se um padre ou Cardeal é modernista, nem por isso a Igreja fica Modernista.
O Cardeal Kasper é Doutor em Teologia e é herege modernista, pois nega a Ressurreição de Cristo e seus milagres, e nem por isso a Igreja ficou modernista.
O Cardeal Martini, também ele Doutor em Sagrada Escritura, ainda há pouco, defendeu o aborto e outros horrores, como herege modernista que quer atualizar a moral de acordo com a Ciência moderna. E, contudo, ele não é a Igreja. O Cardeal Martini é modernista. A Igreja, não. Um Cardeal ou um teólogo não são a Igreja. E as Faculdades romanas não são a Igreja infalível.
Parece que em sua Faculdade não lhe ensinaram lógica.
Depois você me diz:

“Não se moderniza a Palavra de Deus, mas a atualiza, contextualizando o ensinamento passado, primeiro via oral, e depois escrito, nos dias de hoje. É necessário se fazer a atualização da revelação, não sua modernização” (O destaque é meu. A heresia é sua).

Que diferença há entre modernização e atualização da revelação?
Explique essa diferença sutil entre atualizar e modernizar. As duas significam uma mudança no entendimento da revelação.
Essa troca de palavras foi imaginada por você mesmo? Ou você a ouviu, talvez, de “doutores de dúvidas”, que a fazem só para escapar da condenação explícita de suas heresias
Então, para tentar fazer-lhe bem, e ver se a graça de Deus lhe abre os olhos, cito-lhe como São Pio X, na encíclica Pascendi, condenou a tese herética da evolução ou adaptação dos dogmas ao tempo:

”Logo também as fórmulas que chamamos dogmas tem que estar sujeitas às mesmas vicissitudes e, conseqüentemente, sujeitas a variação. E assim, em verdade, fica aberto o caminho para a íntima evolução do dogma. Por certo este é um amontoado infinito de sofismas que arruínam e aniquilam a religião” (São Pio X, Pascendi, in Denzinger, 2.079. Os destaques são meus)

E você, sem continuidade lógica em seu pensamento, depois de falar da “atualização da revelação” solta um slogan – tão repetido — que é típico de professores sofistas:

“Mas também não podemos continuar vivendo como se vivia na idade média. Temos que enchergar a palavra de Deus como se falada hoje, na linguágem de hoje, senão cairemos no fanatismo, no fundamentalismo” (O destaque é meu. Os erros de português, de ortografia e de acentuação são seus. E eu só chamo sua atenção sobre eles para lhe fazer ver como você não conhece nem português, quanto mais Teologia! Abra os olhos, ó cego!).

Ora, o Cardeal Ratzinger, hoje Papa Bento XVI, afirmou no discurso de abertura do Conclave que o elegeu Supremo Pontífice, que os hereges logo lançam a pecha de fundamentalista sobre aqueles que defendem a Fé.

“Quantos ventos de doutrina conhecemos nestes últimos decênios, quantas correntes ideológicas, quantas modas do pensamento… A pequena barca do pensamento de muitos cristãos foi muitas vezes agitada por estas ondas lançadas de um extremo ao outro: do marxismo ao liberalismo, até à libertinagem, ao coletivismo radical; do ateísmo a um vago misticismo religioso; do agnosticismo ao sincretismo e por aí adiante. Cada dia surgem novas seitas e realiza-se quanto diz São Paulo acerca do engano dos homens, da astúcia que tende a levar ao erro (cf. Ef 4, 14). Ter uma fé clara, segundo o Credo da Igreja, muitas vezes é classificado como fundamentalismo. Enquanto o relativismo, isto é, deixar-se levar “aqui e além por qualquer vento de doutrina”, aparece como a única atitude à altura dos tempos hodiernos. Vai-se constituindo uma ditadura do relativismo que nada reconhece como definitivo e que deixa como última medida apenas o próprio eu e as suas vontades.” svsv
(Cardeal Joseph Ratzinger, Decano do Colégio Cardinalício, Homilia na Missa Pro Eligendo Romano Pontifice (pela eleição do Papa), celebrada no Vaticano antes de começar o conclave. Cidade do Vaticano, segunda-feira, 18 de abril de 2005,
http://www.vatican.va/gpII/documents/homily-pro-eligendo-pontifice_20050418_po.html).

O Cardeal Ratzinger afirmou então que as heresias dos últimos decênios – 4 decênios desde o Concílio Vaticano II — agitaram a barca da Igreja, e que os hereges logo chamam de fundamentalistas quem defende a Fé contra o relativismo da evolução doutrinária. Até pareceria que o Papa havia lido a sua carta
E que quer você dizer com a frase “não podemos continuar vivendo como se vivia na idade média”., frase que você ouviu sem analisar, de algum sofista, quem sabe até de sua Faculdade de Teologia ?
Claro que não podemos mais andar de armadura, e nem morar em castelos. Mas os católicos de hoje tem que viver seguindo a mesma doutrina católica e obedecendo os mesmos mandamentos que seguiam e obedeciam os católicos medievais. Veritas Domini Manet in aeternum.
Uma religião moderninha, adaptada aos tempos, uma religião aggiornata como queria João XXIII em 1962, estará superada continuamente em cada amanhã. A religião do Para que seguir, hoje, o que amanhã não valerá mais?
Depois lá me vem você com outro slogan sofístico: Concílio Vaticano II, um Catolicismo aggiornato, é uma religião descartável, uma religião que vale só hoje e que amanhã estará superada.

“Jesus nos fala hoje, sobre os problemas atuais, sobre nossa realidade e não sobre a realidade de Israel de 2.000 anos atráz ou da idade média”.

Meu caro, Nosso Senhor nos deu a solução dos problemas do homem. E os problemas trazidos pela natureza humana são os mesmos em todos os tempos. Cristo não veio trazer a solução para o problema do trânsito nas avenidas marginais. Ele veio trazer a solução dos problemas religiosos e morais, que são sempre os mesmos, pois a natureza humana não muda. O orgulho dos falsos teólogos atuais é o mesmo que o dos teólogos do farisaísmo. A Gnose dos fariseus é a mesma que a gnose dos modernistas de hoje.
A seguir você me sai com a seguinte afirmação:

“Nâo que o CVII veio abolir tudo o que foi dito antes, mas atualizou a doutrina conforme o momento que vivemos e reviu muita coisa que, como disse na carta enterior, as ciências mostraram estarem errados”.

Veja a loucura doutrinária que você afirmou: “as ciências mostraram estarem errados” certos pontos da doutrina católica, e que, então, “o CVII” (…) “reviu muita coisa” (…) “conforme o momento que vivemos”.
Portanto, segundo você, ilustre aluno do Terceiro ano de Teologia da Faculdade Assunção, o Vaticano II admitiu que a Igreja tivera erros, e que, seguindo as ciências, e não segundo a doutrina dos Papas, o Vaticano II reviu os pontos que estavam errados na Igreja.
Logo, você não é mais Católico Apostólico Romano, mas é católico científico teologuento.
Vade retro!
Esta carta está ficando longa e chata. Mas se não responder a todos os seus pseudo argumentos, mostrando dolorosamente seus sofismas, você vai dizer que minhas repostas “são evasivas e sem fundamento”.
Você me obriga a esse trabalho duro de analisar todas as suas teologais besteiras.
E veja a seguinte:

“E porque não há relato sobre Moisés desenrolando um pergaminho e lendo a lei, só relatos dele dizendo?”

O verbo dizer, no caso de sua frase, é transitivo direto. Exige um complemento direto. “Só relatos dele dizendo” o quê?
Sua frase é sem sentido, como sua doutrina é sem cabimento.
E depois você vem com um argumento infantil:

“Se Adão e Eva foram os primeiros humanos na terra, como, Caím, depois de ter matado Abel e sido expulso de junto dos pais, encontrou uma mulher, casou e teve descendência? Acaso a humanidade começou com um incesto?”.

Sua pergunta deixa clara sua crença: a Sagrada Escritura não disse a verdade.
Ou Caim casou com sua irmã, praticando incesto, ou não houve um só casal original.
Você crê no poligenismo, doutrina condenada por Pio XII na encíclica Humani Generis, doutrina que acaba, por conseqüência, em negar o pecado original e a Redenção de Cristo.
Que queria você?
Quereria que Caim casasse com a filha do português da esquina?
Meu caro, não havia esquina! E não havia português. E não existia então a filha do português da esquina.
Caim, então, só podia casar-se com uma sua irmã, e isso não foi incesto, porque o que é de necessidade não tem lei.
Essa duvida ridícula mostra o nível de ensino que você recebeu na sua Faculdade de Teologia.
Para concluir, você me desafia;

“Sugiro que você leia todos os documentos do CONCÍLIO VATICANO II. Talvez consiga dar respostas com mais fundamentos teológicos para as pessoas, e não idéias pessoais”.

Pobrezinho!…
Claro que li todos os documentos do Vaticano II. Li, analisei, estudei e anotei.
Meu caro, eu nunca fui estudante de Teologia. Por isso, antes de afirmar alguma coisa, leio, releio e estudo.
Estudante de Teologia, normalmente, nem estuda e nem analisa — como mostrado por sua cartinha.
Repete slogans e sofismas. E estadeia contradições…
Sem Fé.

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

image_pdfConverter em PDFimage_printPreparar para impressão