EXTREMOS: a Semana Santa da pandemia está sendo diferente

Data

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Marcelo Andrade

 

EXTERMOS

 

A Semana Santa da pandemia está sendo diferente. Não houve locomoção, não houve missa, não houve vigília na sexta-feira santa. Tudo trancado, tudo fechado, cidades seladas, estabelecimentos cerrados, motores interditados, tudo ocluso e as pessoas lacradas em seus lares. Não haverá a comemoração pós o Lumen Christi e o único o Ofício das Trevas de quarta-feira realizado parece ter sido o de se abrir a janela do quarto, de noite, e não ouvir nem um som de carro se movendo. São Paulo tão viva, estava morta.

Este tempo fez-me lembrar de outra Semana Santa vivida há alguns anos, que foi diferente, per diametrum, cujo Tríduo foi realizado em ambiente campestre, na qual estava tudo aberto. Vi o pasto, o gado, a chuva, os morros, as estrelas, a aurora, ouvi os barulhos campestres, o galo cantar e senti os aromas de terra molhada. Anotei à época:

 

UMA VIGÍLIA NA MADRUGADA SANTA

O orbe campestre e o horizonte,
a noite já havia cerrado.
Não se via nem o chão nem o monte.

Neste cenário todo abumbrado,
a chona avançada era bela
e tudo parecia silenciado.

Porém, na margem da vessadela,
só Iluminava o luzeiro,
uma antiga e pastoril capela.

Vi a torre, o sino e o cruzeiro,
nesta vigília de sexta santa.
E o momento era certeiro.

Na simples Orada que acalanta,
entrei, ajoelhei e rezei,
diante do sacrário que abrilhanta.

Indigno ante a cena, contemplei
sete sofrimentos de Maria.
E nas dores do Filho, meditei.

O galo cantava antes do dia,
o único, a romper a mudez,
pois, não a noite, o sol queria.

Um juízo se impôs com solidez,
na hora que a madrugada conduz.
Só a Cristo eu veja com nitidez.

Que do mundo eu não tire a luz,
nem tenha confiança e encanto.
Que eu me apegue somente à Cruz.

Posto pelo silêncio santo,
que eu tenha o ser purificado,
pelo credo como interno canto.

Alma e coração pacificado,
surdo para este século imundo.
Por fim, tive o voto renovado:

Estar no mundo, não ser do mundo.

 

Foi tudo diferente, então, entre uma e outra Semana Santa?

Na realidade foi desigual só na aparência, só nos acidentes, na essência foi tudo igual, porque pouco importa o que fizemos ou deixamos de fazer ou onde estávamos ou deveríamos estar.

Deus não muda e a Ele servimos.

Isto basta.

Marcelo Andrade, 11 de abril de 2020.